Search

Backpacker couple

Travel with less money!

5 cheap things to do in Lima! 5 coisas baratas para fazer em Lima!

IMG_0626
Pacific sea  – Oceano Pacífico

Oh Lima… Peru’s capital has just the beach vibe we adore in cities. Full of history, both colonial and incan and plenty to do, we just loved this city and actually spend 2 extra nights here because we couldn’t just get enough! Although is a bit more expensive than Cusco or Arequipa, you can still get that lunch menu with entrance, second dish and a drink for 8 soles (2,50 dolares) so a friendly backpacker place to visit! So just grab a few soles and discover a beautiful and vibrant city!

IMG_0652.jpg
Plaza de Armas – Centre of Lima – Centro de Lima
  1. Do the free-walking tour: You can start it in Plaza das Armas or Miraflores (Parque Kennedy) but there are more than 5 companies doing it so you have many different schedules! The tour works on tips and we paid 10 soles both because we are cheap! (and also because we thought it was very short comparing to the walking tour in Arequipa that lasted 3 hours!)
  2. Rent a bike and ride it in Miraflores. There are also some tours by bike but we prefered to rent a bike and ride it! Miraflores perfect for that because everything is flat and there are lots of cycle lanes (which is great because peruvians driver are insane!), you can also just walk there and save that money but we paid 25 soles (7,50 dolares) for 3 hours for a nice bike, so it still counts as a cheap thing to do!

    IMG_0644
    Parque Kennedy – Miraflores
  3. Eat ceviche! Lima is the place to eat ceviche! They were even too delicious for us to take a photo! 15 soles (5 dolares) it’s a good price for a cebiche (that’s how you pronounce it also) and they are delicious. To accompainy it, ask for a Chicha morada (tradicional peruvian drink made with purple corn, apple and spices) or a beer and be happy!
  4. Go out in Barranco. We actually stayed in Barranco but we booked without knowing it was the party distric! From small, cheap bars to full discoteques and all in between, enjoy the bohemian feeling of this lovely, old neighborhood, you will not regret it!
  5. Ride a Coletivo – for 1 sole (30 cents)! We went from Barranco to Miraflores just hopping (yes, they will stop it anywhere in the street, weird but funcional) on one and although is not so fancy we advice anyone for that experience because you can actually feel a bit local!
IMG_0754
Coletivo

Lima… a capital do Peru tem uma vibe praieira que adoramos em cidades, cheia de cultura, história (colonial e inca) e bastantes coisas para fazer. Ficamos apaixonados por esta cidade e acabamos até ficando dois dias a mais do que tínhamos planejado! Apesar de ser um pouco mais cara que Arequipa ou mesmo Cusco ainda se consegue comer um menu de almoço por 8 soles (8 reais) – inclui entrada, prato e refresco – uma pechincha! Então, pega uns poucos soles e descobre uma cidade bonita, antiga, vibrante e no mais barata!

IMG_0659
Plaza de Armas

  1. Fazer o Walking-tour: Pode-se começar pela Plaza de Armas ou em Miraflores (Parque Kennedy) mas tem pelo menos 5 companhias a fazê-los então pode-se escolher diferentes horários. Estes tours trabalham apenas com gorjeta e nós pagamos 10 soles (10 reais) porque somos forreta!
  2. Alugar uma bike e andar por Miraflores. Também existem tours de bicicleta pela cidade mas preferirmos apenas alugar a bici e andar nela! Miraflores é perfeito para isso pois é plana e tem bastantes ciclofaixas (importantes pois os motoristas do Peru são loucos!). Podem também passear pelo bairro a pé mas nós pagamos 25 soles (25 reais) por 3 horas numa bicicleta doideira, por isso contamos como um passeio barato de se fazer!

    IMG_0641
    Miraflores – near the sea – ao pé do mar
  3. Comer Ceviche! Lima é o lugar para comer ceviche, os que comemos eram demasiados deliciosos então não temos fotos! Cebiche (como se pronuncia) pode ser encontrado por 15 soles (15 reais). Para acompanhar, peçam uma chicha morada, uma bebida típica peruana feita com milho roxo, maça e várias especiarias. Ou então peçam uma cerveja e sejam felizes!
  4. Sair de noite em Barranco. Nós ficamos hospedados em Barranco mas quando marcamos não sabíamos que era o bairro boémio da cidade! Desde barzinhos baratos a grandes discotecas, inclusive um monte lojinhas de fast food abertas a noite inteira, Barranco tem de tudo para todos e para todos os bolsos!

    IMG_0734
    Barranco
  5. Andar de Coletivo. Por 1 sole (1 real) dá para andar numas pequenas topics que andam entre bairros. Por exemplo, saltamos para dentro de uma para nos movermos entre Barranco e Miraflores (bairros vizinhos). Eles param em praticamente qualquer lugar (estranho mas funciona) e apesar de serem bastante precários, aconselhamos esta experiência para se sentir um pouco mais local.

 

 

Featured post

Isla del Sol and tips for Bolívia! Isla del Sol e dicas para a Bolívia!

Isla del Sol, in the middle of lake Titicaca, a beautiful turquoise-blue lake, at 3810 meters above sea level and in the middle of the Andes range mountain, is a very known touristic place. Why? Because is warped in history and myths, that came from ancestral times. We loved to get to know this small island, with Inca ruins, still sacred to many and the homeland of the Aymara community.

img_9729-recovered
Isla del Sol

Isla del sol translated means island of the sun, the saying is that the God of the Sun, Inti, was born there. He was later horrified by the way people were living and sent his son Manco Capac and his daughter Mama Ocllo to populate the land. It goes that they went by a tunnel to Cusco, the Inca empire capital city, making them the first emperors of the Inca empire (they were also married!). Another of our favorite myth around the Titicaca is that there was once a Inca city like Atlanta, underwater. Some archeologists actually found some ruins 20 meters under the water!

The normal route to Isla del Sol is to stay in Copacabana and take a boat (at 8:30 AM or 1:30 PM), from Copacabana is around one hour and half. Don’t forget to bargain the price of the ticket and if you’re going just for the day trip, buy your ticket to both ways, you should expect to pay 30 bolivianos (around 5 dollars) – we did.

You can stay in Isla del Sol: in the north part you can camp for free and use bathrooms or buy some beer with the locals. In the south part there are some hostels, but the cheap ones will be pretty basic and the expensive ones quite good. If you choose this side, you can expect everything to be closed by 9 PM and nothing much to do. Everything is very simple as the locals keep it simple!

img_9741
People camping in the nort part – Galera acampada na parte norte

We choose to do the day trip, which means you’ll have to go on the first boat (8AM) and return on the last one which is around 3:30 PM (you’ll arrive to Copacabana around 5PM).

In the Isla del Sol you can choose to do 2 activities: one is to go with a guide (they will ask from around 20 bolivianos) and they will explain about the ruins, the sacred stone and the ritual table. You’ll pay also 15 bolivianos to see the ruins. After this 2 hour tour, they will take you back to the boat where you will go to the south part of the island and wait for the time to leave.

img_9769-copy
Ritual table – Mesa de rituais

The other one is to do the trekking from the north part to the south part but don’t be fooled, you will pay 40 bolivianos in total for this. Why? The communities of this place work to keep the trail in good conditions. We were really annoyed by this, not because of amount of money (which is around 7 dollars) but because when we paid the second time, they told us we didn’t have to pay anything more! Later we found out that this wasn’t true and we had to pay again just to get to the south village because that’s where the boat is. Don’t be fooled, you will have to pay 3 times, even if they tell you don’t!

But besides this touristic tax, it’s a nice trekking with very nice landscapes and you will be doing a Inca trail! If you want do this trekking, read something about the ruins beforehand and take some food and water with you. You’ll probably take around 3:30 hours and you’ll arrive in the boat just in time. The trekking is really quite easy and the landscape is awesome!

img_9792
Inca trail – Caminho Inca

And because we absolutely loved Bolivia, we listed somethings for you to do and discover this beautiful and crazy cheap country!

  • Ask the price before entering any taxi, even the official ones.
  • Bargain everything on the street. Or don’t because everything is so cheap…
  • Eat street food! Not only is delicious but really really cheap! If you’re brave enough ask to take away and eat it out of a plastic bag!
  • Go to “Mercado de las brujas” and buy some spells (we were kind of disappointed because some of them were imported from Brazil).
  • Uyuni is also very nice, check our post: Salar de Uyuni – Bolívia’s Tresure • Salar de Uyuni – Um tesouro na Bolívia
  • You can do the Death Road here by bike,  we didn’t, but our germans friends did and they loved it!
img_9678-copy
Lake Titicaca – Lago Titicaca

Isla del Sol, uma pequena ilha no grande lago Titicaca, um lago de cor azul turquesa, no meio dos andes, a 3800 metros de altitude. Esta ilha é bastante conhecida entre os turistas, mas porquê? Uma das razões é os mitos e histórias que a rodeiam, que já vêm de tempos ancestrais. Adoramos conhecer esta ilha, com ruínas incas, sagrada para vários e casa para a comunidade Aymara.

A história principal é que o deus do Sol dos incas, Inti, nasceu aqui. Angustiado pela maneira como os homens viviam, mandou os seus filhos Manco Capac e Mama Ocllo para povoar a terra. A história fala que eles foram por um túnel até Cusco, cidade capital do império Inca. Eles foram depois casados e são considerados como os primeiros imperadores dos Inca. Outro mito que gostamos é que se diz que houve uma cidade como Atlanta, uma cidade submersa nas águas do lado Titicaca. E alguns arqueologistas encontraram ruinas de um templo e de um muro de contenção, 20 metros debaixo do nível de água!

A maneira de chegar a Isla del Sol é tomar um barco desde Copacabana (ás 8:30 ou ás 13:00) o percurso demora uma hora e meia em média. Não se esqueça de negociar o preço do bilhete de barco ou se for apenas num bate-volta compre o bilhete de ida e volta, o preço fica por 30 bolivianos (15 reais).

img_9818
Isla del sol

Você pode escolher também ficar na Isla del Sol, na parte norte pode-se acampar na praia e utilizar os banheiros das pessoas locais assim como comprar uma cervejas, etc. Na parte sul ficam os hosteis mas os mais baratos são bastante básicos e os mais caros parecem ser legais, mas não tem muito para fazer depois das 9 da noite. Se você for num passeio de um dia como nós, terá de pegar o primeiro barco, ás 8 da manhã e voltar no último, que sai por volta das 15:30 da ilha, chegando a Copacabana pelas 17:00. A estrutura da ilha é bastante simples, pois é assim que os locais vivem!

Já na ilha do sol você pode escolher fazer duas atividades: uma é ir com o guia até ás ruínas, à pedra sagrada e mesa de ritual. Você vai pagar 15 bolivianos para acessar as ruínas Incas e o serviço de guia costuma ser por volta de 20 bolivianos. No final do tour de por volta de duas horas, você vai voltar para o barco que lhe vai levar até á zona sul onde se espera até partir.

img_9779-copy
Ruinas Incas

A outra atividade que você pode realizar é fazer um trekking da zona norte da ilha até há zona sul, mas não seja enganado, você vai pagar 40 bolivianos no total para fazer este trekking. As comunidades locais cobram taxas para manter o caminho. O que nos irritou não foi o dinheiro em si (20 reais) mas o fato de nos terem dito na segunda taxa que não teriamos pagar mais nenhuma taxa mas no final tivemos de pagar mais uma vez só para entrar na vila do sul, que é onde o barco fica ancorado. Então mesmo que lhe digam que não vai pagar mais, não acredite, você vai pagar 3 taxas.

Mas para além da taxa, o trekking é bastante agradável e com o lago Titicaca todo á volta e você vai estar fazendo uma trilha Inca. Se você escolher este trekking, leia antes sobre as ruinas, traga comida e água pois tem pessoas vendendo mas o preço é bem mais salgado que em Copacabana. O trekking demora entre 3 e 3 horas e meia e provavelmente você vai chegar mesmo a tempo para o barco. É bastante tranquilo e a paisagem é bem bonita!

img_9840
Rain in the south part – Chuva na parte sul da ilha

E como adoramos conhecer a Bolívia deixamos aqui algumas dicas para conhecer este país incrível e muitíssimo barato:

  • Perguntem o preço antes de entrar nos táxis, mesmo que nos oficiais. Os táxis não tem taxímetro.
  • Pechinche tudo na rua ou então não, porque tudo é tão barato…
  • Coma comida de rua! Porque é deliciosa e bem barata! Se tiver coragem, coma direto do saco de plástico, como os locais.
  • Vá no “Mercado de las brujas” e compre magias ou ervas medicinais (mas ficamos desapontados porque vimos que várias coisas vem do Brasil).
  • Uyuni é muito bacano, veja também o nosso post sobre isso: Salar de Uyuni – Bolívia’s Tresure • Salar de Uyuni – Um tesouro na Bolívia
  • É aqui que se faz a conhecida “Death Road” de bike, nós não fizemos mas os nossos amigos alemães fizeram e adoraram!
Featured post

Not so obvious stuff we are taking on our backpack for a 3 month trip!

We have been saving money for around a year now and in less than a week we are leaving Brazil to travel from São Paulo to Cartagena, in north of Colombia! We are so happy because we are starting where we ended our last trip (Santiago, only this time we are going straight to Atacama’s  desert!) two years ago, on the same date (the Patagonia Adventure), how cool is that?!

We going to do some trekking on the mountains of Peru, going to the beach in Ecuador and going to big cities like La Paz and Lima, a perfect mix between culture, nature and people and the kind of journey we love. It’s a 3 month trip, mostly done by bus (cheapest way to get around) and we have to be prepared for all kinds of crazy weather or situation, so  we thought we might share with you things we are taking on our backpacks that are not so obvious! *for a 3 month trip. 

Note: we are travelling with a 50 litre backpack from Quechua.

 

backpack.jpg

  1. Gopro & floater: we are hitting the beaches, we love the wide lens and the fact its a small compact camera, great to take on hikes.
  2. Neck cushion: this one is inflatable so it doesn’t take any space on our backpacks. Essential for the long bus rides we are going to do.
  3. Dry fit towel: easy to dry and takes no space on our backpacks.
  4. Rain ponchos: we have waterproof jackets but this can easily help us out on many occasions including to protect our backpacks!
  5. Jack split: for listening music together and seeing movies without bothering anyone. On our last trip we didn’t have and we were always that couple sharing the earphones.
  6.  All sorts of medicine: this one is obvious but, seriously, take some pills with you!
  7. Bucket power: this is a life saver! It can actually charge any of our phones and also the Gopro.
  8. Wide lens for Iphone: because we really love wide lens!
  9. 2 decks of cards: for boredom, long bus drives, rainy nights… and a great way to meet new people!
  10. Power adapter: hopefully we won’t need it but you never know..
  11. Camping kitchen ware: we bought this for Torres del Paine and we are taking this time because we are going to do other trekkings.
  12. Seasoning: this one is not so obvious and totally worth taking because we have all stayed in a hostel that didn’t even had salt to cook, haven’t we? We used tic-tac empty boxes for it.
  13. Solar bucketpower: it was really cheap (30 reais, less than 10 dollars) and we can just attach on top of our backpacks and charge it, it has a light in it (and it works too!). Great for hiking and other places with no energy (the Uyuni Salt flat for example)
  14. Swiss army knife: a friend advised us to get one and we did. We choose one that had a wine opener because… we will sure going to use it!
  15. Code Lockers: great because you don’t have to worry about the key.
  16. Analog camera: last time we didn’t take it and we later regretted it. The texture of photography is just great! (it’s a Fujica from the 80’s and used to belong to Agata’s parents)

What about you? Do you take any not obvious stuff in your backpack?

 

Featured post

The Patagonian Adventure • A Aventura Patagônica

For our second large trip we travelled for around 45 days in the south of South America. We were living in São Paulo at the time, and because we were both freelancers we decided to travel around February (this is high season here but also, warmer because it’s summer). We went from São Paulo to Florianópolis where we stayed with friends. From there we went to Porto Alegre to meet some other friends. This is in the south of Brasil and you can really tell a difference from all the others states: for example, everything is very plain, not like the states of São Paulo or Bahia with lots of mountains or canyons.

From there we went to Uruguay, where we stayed in 3 beaches: Cabo Polonio, a small eco village with no electricity, La Pedrera, a small fishermen village with a great beach and La Paloma, bigger, family oriented beach.

After Uruguay, we took a bus to Buenos Aires, a lovely city, where you can be easily be tricked to believe you’re in Madrid or Paris.

buenoaires
El Caminito – Buenos Aires

Then we took a flight to Ushuaia, in Tierra del Fuego island. From there we went by bus, first to Puerto Natales, in Chile – to do the Torres del Paine trekking. This is a very known and touristic trekking, but for us, the most magical place of Patagonia. Soon to have a post about it!

Next we went to El Calafate and visited the Perito Moreno Glacier, drink with some nice people from the hostel and from there went to El Chalten.

El Chalten is a small village surrounded by mountains and just near the National Park of Glaciers. All kind of tourists and trekkers come here to do the Mount Fitz Roy trekking and others. Lovely village and great (and for free!) trekking with rocky high peaks, rivers and lagoons with turquoise water.

fitz01
Mt. Fitz Roy – El Chalten

After this, we took a 24 hour bus to Bariloche where we stayed just couple of days to relax. This is the north part of Patagonia and the landscape is completely different, very green with mountains and rivers, instead of the “estepa , a desert like landscape, that gets arround 50 mm of snow a year.

We meet a friend from back home (André’s city) and we travelled together for the last part, which was to cross to Chile. We took a 18 hour bus to Mendoza, and from there took a small van to Santiago. From there we took another bus to go to Valparaiso.

We finally went from Valparaiso to Santiago where we stayed at a friend’s house. From there we took a plane home, to São Paulo. It was cheaper to buy a round ticket and we were very lucky because the air company changed the time of the return flight so we could ask for full refund of the cancellation! 🙂

patagonia.gif
our route – nossa rota

Na nossa segunda viagem, ficamos 45 dias viajando pela sul da América do Sul. Como estávamos vivendo em São Paulo, fomos de ônibus até Florianópolis onde nos encontramos com amigos. Infelizmente apanhamos mau tempo e nem conseguimos ir muito nas praias. De Floripa fomos para Porto Alegre onde ficamos com  mais amigos. Continuamos pelo sul até ao Uruguai onde fomos a 3 praias: Cabo Polónio, uma praia dentro de uma reserva natural; La Pedrera, pequena vila de pescadores com uma ótima praia e estrutura e La Paloma, vila maior e mais voltada para férias em família.

Do Uruguai fomos diretos para Buenos Aires onde ficamos uns dias conhecendo a cidade – uma cidade bem diferente da América do Sul, onde facilmente você se poderia achar em Paris ou Madrid. De Buenos Aires pegamos um voo (já comprado com muita antecedência) para Ushuaia, a cidade mais austral na América do Sul.

De lá a gente foi indo em direção ao norte. Primeiro ficamos em Puerto Natales para fazer o conhecido trekking das Torres del Paine (Patagônia Chilena). E apesar de turístico, um dos momentos mais mágicos de nossa viagem!

cuernos
Los Cuernos – Torres del Paine

Subimos depois para El Calafate onde fomos ao conhecido Glaciar Perito Moreno e onde fizemos amizades com pessoal do hostel, acabando por ir beber com eles num barzinho legal. De Calafate fomos para El Chalten, uma pequena vila no meio das montanhas, conhecida como a capital argentina de trekkings. Apesar de pequena e remota, uma vila cheia de charme com várias opções de trekkings – todas gratuitas! O trekking mais conhecido é o que dá no Mount Fitz Roy, mas existem várias outras opções e quase todas incluem vistas desafogadas pela cordilheira andina, com os seus picos nevados, rios e lagoas de água azul turquesa.

Daqui pegamos um bus de 24 horas para Bariloche, na parte norte da Patagônia. A paisagem é completamente diferente com muito verde, rios e montanhas, ao contrário da paisagem do sul, cujo habitat se chama estepe patagónica é bem similar a um deserto, só contabilizando por volta de 50 mm de neve por ano.

stepo-patagonico
Estepe Patagónica

Em Bariloche encontramos uma amiga que seguiu viagem conosco. Não fizemos muito aqui porque é uma cidade completamente turística, mais cara e estávamos muito cansados então aproveitamos para relaxar.

De Bariloche pegamos um busão de 18 horas até Mendoza onde depois pegamos uma van para Santiago. Da rodoviária pegamos ainda um outro ônibus até Valparaiso, onde ficamos 3 dias.


Por fim voltamos para Santiago, onde ficamos em casa de um amigo por uns dias. O nosso voo ficou mais barato comprar ida e volta; quando chegamos a casa, a companhia aérea mudou o horário do voo de regresso e por isso pudemos pedir o cancelamento e ter o reembolso total! 🙂

Featured post

The first trip – Europe! • A primeira viagem – Europa!  

giphy

For our first big trip, we hitchhiked through Europe.

We thought about doing it by train, the classic Interrail. Ágata had already done this, a few years back, but André is Brazilian and the price of the youth ticket for non europeans is crazy expensive. So, we planned to hitchhike. Ágata had some experience in this as she had hitchhiked between Lisbon and Turin (north Italy) and it wasn’t very difficult to convince André this was a good idea! And because we saved up all this transportation money, we could afford to pay to do other cultural activities.

We were very lucky and found hosts in almost every city, the only city we didn’t had a host was Berlin where we stayed in a pretty cool hostel, but also, this allowed us to somehow feel what´s like to live in that city, which was great because it was the first time André went to Europe.

We left the end of our trip in open. We were staying with a good friend’s house in Ljubljana and he had suggested we found a cheap flight home and go to Venice, which is just some hours away. We found a cheap flight from Milan so we decided to go to Venice and enjoy our last days, instead of doing a 3 day hitch from there to Lisbon. We spent a little more here because we didn’t plan this and Venice is a very touristic place. We saved a little by eating things we brought because everything is pretty much inflated in Venice and staying outside the island. Our trip was around 30 day, a month, and we spent around 500 euros each. André spent a little more with the airplane tickets which we bought from easyjet at 80 euros each.

img_8652
Berlim

Para a nossa primeira viagem, caronamos pela Europa.

No início, queríamos ter viajado de trem, fazendo o clássico interrail. A Ágata já tinha viajado assim, há alguns anos atrás, contudo, o bilhete para não europeus, mesmo que jovens, é bem caro. Então começamos a planejar a carona. A Ágata tinha alguma experiência pois já tinha viajado assim de Lisboa ao norte de Itália (Turim), não foi muito complicado convencer o André que era uma boa ideia! E como poupamos bastante dinheiro em transporte, aproveitamos para gastar com outras atividades culturais.

Tivemos também muita sorte porque conseguimos arranjar alojamento em praticamente todas as cidades, as únicas exceções foram Berlim e Veneza. O facto de ficarmos em casas de pessoas que moram nessas cidades, permitiu que a gente sentisse um pouco de como é viver na Europa, uma experiência bem legal para o André, que visitava a Europa pela primeira vez.

Deixamos o final da nossa viagem em aberto, ficamos um tempinho em casa de um bom amigo em Ljubljana, que nos sugeriu visitar Veneza, que fica a algumas horas de lá, e arranjar um voo em low-cost. Arranjamos um voo de Milão, a 3 horas de Veneza e decidimos aproveitar os últimos dois dias em Veneza invés de ficarmos 3 dias a caronar até Lisboa. Gastamos um pouco mais porque não tínhamos contando que Veneza é uma cidade extremamente turística. Assim, poupamos comprando coisas para comer no continente e também dormindo num parque de campismo. A viagem foi de cerca de 30 dias e gastamos cerca de 500 euros cada. André gastou um pouco mais porque comprou as passagens de avião que custaram 90 euros cada (caro para um Europeu, habituado a voar por 20, 30 euros por trecho, mas um preço OK vendo que foi comprada com dois dias de antecedência).

Featured post

Apps that save a backpacker’s life! Apps que salvam a vida de um mochileiro!

Hello again! It’s been a while, we know, but travelling and blogging can be challenging, specially if you’re staying in the middle of the mountains or by the sea with limited electricity or no internet! But now we are in Bangkok, with amazing internet so, no more excuses. We had being thinking for a while to do this public utility post with all the wonderful free apps that have been saving our backpacker asses! We are not sponsored by any app or company so this is just our honest opinion. Feel free to comment or to write to us to add more apps to the list!

  • Hostelworld: we use it to book our hostels but you will need a credit card to book, because you’ll have to pay 10% to 15% of your reservation before arrival. Since we have been travelling in low season, we have only booked hostels when we arrive after 10 PM to the location, but we sometimes use it because you can look up to see the area where most of the hostels are. Extra tip: always read reviews before you book
  • Google Flights: for us, the best flight searcher. We often use it on our computer (don’t forget to use incognito mode!) and because of it, we got the cheapest flight from New York to Bangkok: it costed 65 dollars ticket fare + 300 dollars on tax!
  • Maps.me: this is our favorite app ever! It’s a map application that works with GPS, which means even when you’re hiking in the middle of the mountains, you will be able to use it. Just don’t forget to download the maps before hand (you’ll need wi-fi for this). We have been saved by this app too many times!
  • Rome2Rio: this is a beta version, so please mind it might be wrong sometimes or even short on information. In South America, we often found the bus tickets to be much cheaper than on the app (which is great!) but it still gives you a good reference on the distance and time it will take you to travel between 2 locations.
  • Skyviewer for free: like maps.me it works on GPS, which means you don’t need to be connected to Wi-fi for it to work! It gives you the star constellations and the planets around you, just pointing in the direction of the sky. because we love to gaze at the stars, Skyviewer has given us some great times!
  • Booking: like hostelworld, you can use it to book rooms or beds, but you won’t need credit card or to pay anything before arrival. We often find it to be a little more expensive because it shows a lot of hotels or bed&breakfasts, which is not our kind of thing, but we have booked some rooms in it.
  • Moeda+: Currency app. It can be so confusing when things cost 10.000 in local money, so before the hang of it, it can be very useful. We have used it also to know if the exchange rate is good or if we are loosing too much money.
  • Wallet: it comes with the Iphone, but there must be an android version. It keeps your hostel or hotel reservations and flight tickets when you do online check-in, so it’s very practical.
  • Netflix: because sometimes backpackers need to Netflix and chill!

18052836_10212926585658869_863641085_n.jpg

Olá de novo! Há bastante tempo que não postamos, mas viajar e bloggar pode ser difícil, especialmente se, como nós, ficas no meio das montanhas ou na costa da Colômbia, com electricidade limitada ou sem Internet. Mas agora estamos em Bangkok com ótima internet por isso chega de desculpas! Vamos fazer um post de muita utilidade pública com todos os aplicativos grátis que tem salvo os nossos rabos viajantes! Nós não somos patrocinados por nenhum aplicativo ou nenhuma empresa, então isto é apenas a nossa opinião sincera. Sintam-se convidados para comentar ou escrever-nos, com outros aplicativos úteis para adicionarmos à lista!

  • Hostelworld: usamos este aplicativo para reservar hosteis mas é necessário um cartão de crédito (o nosso travel card funciona como um cartão de crédito virtual na Internet) pois paga-se logo 10% a 15% da reserva antes de chegar no hostel. Como temos viajado em época baixa, apenas temos reservado quarto antes, quando chegamos no local depois das 10 da noite. Ainda assim, o aplicativo pode ser útil para saber os bairros onde ficam a maior parte dos hosteis. Dica extra: leiam sempre alguns reviews de outros viajantes antes de marcar!
  • Google Flights: para nós, o melhor motor de pesquisa de voos. Utilizamos mais frequentemente no computador (em janela privada!) e foi graças a ele que encontramos a passagem mais barata de sempre de Nova Iorque para Bangkok: 65 dólares + 300 dólares de taxas!
  • Maps.me: É o nosso app favorito! Um aplicativo de mapas que funciona por GPS. Isso quer dizer que ele vai funcionar mesmo se você estiver fazendo um trekking no meio das montanhas! Só não se esqueça de baixar os mapas antes (para isso precisa de wi-fi). Já fomos salvos tantas vezes por ele, que nem dá para contar!
  • Rome2Rio: este app está em versão beta, então pode conter pouca informação ou até informação errada. Na América do Sul, frequentemente achamos os bilhetes de ônibus muito mais baratos do que ele indicava (ótimo!) e ele te dá uma boa referência de tempo e distânica de uma viagem entre dois locais. 
  • Skyviewer for free: como o maps.me, funciona no GPS, então não precisa de internet para funcionar. Ele diz-te as constelações e planetas, apenas apontando para o céu. E como nós adoramos olhar para as estrelas, este aplicativo já nos deu vários momentos legais.
  • Booking: como o hostelworld, serve para marcar quartos ou camas em quarto compartilhado, mas sem ter de pagar nada antes da chegada no hostel. Ás vezes, nos parece um pouco mais caro pois tem mais bem hotels e pousadas que hosteis, normalmente ficamos em acomodações mais baratas, mas já quebrou um galho.
  • Moeda+: É um aplicativo de conversão de moeda, bem simples e prático de usar. Usamos bastante para saber se a taxa de câmbio é boa.
  • Wallet: vem com o Iphone, mas deve existir um app igual para android, ele guarda as reservas do hostelworld e do booking bem como as passagens áerias depois de fazer o check-in online.
  • Netflix: porque de vez em quando os mochileiros precisam de descansar e ver uma série!

4 trekkings you can do for free (or almost) in South America! • 4 trekkings para fazer de graça (ou quase) na América do Sul! 

As we moved away from South America (and already missing it!) to Southeast Asia, we wanted to take a little time to update our blog and give you other useful information. As nature lovers, we are realized that South America is amazing for hiking and doing outdoor activities, as it has a vast and diverse landscape of mountains, volcanos with snowy summits, but also jungle and a lot of wildlife. If you’re in a tight budget, doing a trekking can become quite expensive (for our Salkantay trek we spend 170 USD each!) so we listed 4 amazing hikes you can do on your own and completely for free!

We enjoyed all of them, so the list in random order.

IMG_1143 copy
Crater loop in Quilotoa – loop da cratera de Quilotoa.

Saindo da América do Sul (e já com saudades!) para o Sudoeste Asiático, quisemos tomar um tempo para atualizar o nosso blog e dar-vos outras informações legais. Como amantes da natureza, apercebemo-nos que a América do Sul é incrível para fazer trekkings e outras atividades ao ar livre, pois tem uma vasta e diversa paisagem com montanhas, vulcões com picos nevados mas também a selva e muita fauna selvagem. Se você está com a grana curta, fazer um trekking pode ser caro (pagamos 170 USD para fazer o Salkantay!) então segue uma lista de trekkings para fazer de graça ou quase!

Gostamos de todos eles, então a lista está de maneira aleatória.

IMG_1546
Cocora valley – Vale do Cocora

1. Vale del Cocora – Salento – Colombia

From plaza in the center of the village, you can pay around 1 USD (3.600 COP) for a jeep to take you to the beginning of the trail, but this is not mandatory, you can just walk there – it takes around 1 hour. There is a humming-bird sanctuary where you can see this beautiful birds so close that you will hear their wings flap! You will pay around 1,5 USD (5.000 COP) but get a big cup of coffee and some cheese (this money helps with the conservation of the park).

IMG_1605 copy
Lovely humming-bird – um lindo beija flor.

Also, the Cocora valley is known by its huge palm trees and you can start or end here your trek. There are around 7 suspended bridges in a part with jungle so dense, that you will feel in a Indiana Jones movie!

Bring food and water as there is no where place to buy during the trek. If in the raining season (May-April) bring the rain poncho and raining boots or waterproof boots. You’ll totally love Salento too, a town in the middle of the coffee region, Quindio.

Difficulty: easy – medium.
Duration: 5 hours.

IMG_1759

Do centro da vila, você pode pagar 3,8 R$ (3600 COP) para um jeep te deixar no início da trilha, mas isso não é obrigatório, dá para andar desde a vila – demora cerca de uma hora. Tem também um santuário de beija-flor onde se podem ver bastantes e muito próximo, ouvindo até as suas asas! Para isso se paga 5,4 R$ (5000 COP) mas te oferecem uma xícara de café ou chocolate quente e um bocado de queijo (este dinheiro ajuda a manutenção da trilha).

colibri
Beija-flor – humming-bird.

O vale do Cocora é muito conhecido pelas suas palmeiras gigantes, elas são realmente bem altas! Pode-se começar ou acabar nesse pedaço. E tem 7 pontes suspensas durante o caminho numa altura tão densa de mato que parece um filme do Indiana Jones!

Se forem na altura de chuva (Maio-Abril) trazer uma capa de chuva e botas de chuva é essencial, assim como comida e água pois não tem como comprar durante o percurso. Para além disso, Salento é uma vila adorável no meio da zona do café na Colombia, em Quindio.

IMG_1777

Dificuldade: fácil – médio.

Duração: 5 horas.

2. Quilotoa crater trail – Quilotoa – Ecuador

IMG_1139 copy

Quilotoa is a crater of volcano with an amazing green lagoon that reflects the sky, in the bright days of sun. The crater trail is a loop trek that goes around the crater.

It is advised to do it in the counter-clockwise direction because the hardest part will be in the beginning, when you still have a lots of energy. The trail is well signalised but it has a precarious structure, be sure to bring with you water and food. Please mind that you will be in 3800 meters above sea level so it will be cold, even with sunshine weather. You can choose to go down to the lagoon instead, it takes 1 hour to go down and 3 hours to go up again.

Difficulty: Medium – hard.
Duration: 6 hours.

IMG_1141
Our kiwi friend Melody joined us for the crater trail – a nossa amiga kiwi  Melody que fez com a gente a trilha da cratera.

Quilotoa é uma cratera de um vulcão extinto, com uma linda lagoa de água verde, que reflecte o céu nos dias solarengos. A trilha da cratera é um loop em volta dela, como o nome indica.

IMG_1125
Quilotoa

É indicado fazer em sentido contra relógio pois a parte mais difícil fica no íncio, quando ainda se tem bastante energia. No geral a trilha está bem sinalizada mas a sua estrutura é precária, apenas com uns caixotes de lixo, traga comida e água. E não se esqueça que está a 3600 metros acima do nível do mar então vai estar frio mesmo com sol. Outra opção é descer até á lagoa, demora-se 1 hora para descer mas 3 para subir.

Dificuldade: médio – difícil.

Duração: 6 horas.

3. Fitz Roy trekking – El Chalten – Argentina

El Chalten is considered the best hiking spot in South America and we can totally agree on that! Besides being the free entry,  this part of the Parque de los Glaciares del Sur, there are so many things to do there that it can be hard to choose one.

FITZROY02

This classic trek can be done in 1 day or 2 days (staying for free in the camping site in the park), we did it as a one day trekking, it’s doable and you get to have a nice warm shower after. If you’re doing 2 days, you can wake up really early and see the sunrise in the mirador, with the snow and the peaks, seems a great way to start a day. The last km is the hardest. Bringing food is essential but water can be easily be found in the creeks through the trail.

Difficulty: Easy until last km – stepy for around 1 hour.
Duration: 7 hours (one day trek).

FITZROY01
Begining of the trail – Inicio da trilha

El Chalten é considerado por muitos, o melhor lugar para fazer trilhas em toda a América do Sul e nós concordamos! Para além de ser de graça, esta parte do Parque de los Glaciares del Sur, tem tanta coisa para fazer, que pode ser até difícl escolher apenas uma.

Este trekking clássico pode ser feito em 1 ou 2 dias, ficando acampado no parque, de graça. O trekking de 1 dia, que foi o que nós fizemos, é bem fazível, com o luxo de poder tomar um banho quente depois. Se acamparem e fizerem o trekking de 2 dias, podem acordar antes do amanhecer e vêr o dia começar do mirador, lá em cima, com os picos nevados mudando de cor. O último km é o mais díficil, com uma subida acentuada (cerca de uma hora). Levar comida é essencial, mas água não é necessário levar em grandes quantidades pois pode-se beber dos riachos que se encontra pelo caminho.

Dificuldade: fácil até último km – subida acentuada, uma hora.

Duração: 7 horas (ida e volta).

FITZROY03 copy
Cloudy Fitz Roy – Fitz Roy enublado

4. Trilha das 7 praias (7 beaches trail) – Ubatuba (São Paulo state) – Brasil

This trail is quite known by locals and brazilian explorers but not by many tourists. The trail stars in beach Lagoinha and ends in beach Fortaleza or the other way around. You can wild camp in one of the beaches or you can do it in a day trek. As it goes through the jungle (Mata Atlântica ecosystem) it will be good to bring repellent and boots (mind there are snakes around the jungle), bring water (you can buy along the way but it will be expensive) and some food. There are places to eat in the beaches.

7prais 03
Sea in Ubatuba – mar de Ubatuba.

The sea here is an amazing shade of blue and all of the 7 beaches are in shape of a bay, with almost no waves. If you do it in the weekdays there will be fewer people, for sure. We did it on a holiday weekend and  it was still pretty amazing.

How to get there: take a bus from Ubatuba or Maresias and ask around to the entrance of the trail, the locals will know it!

Difficulty: easy.
Duration: around 5 hours walking.

7prais 01
Deserted beach – Praia deserta.

Esta trilha é bastante conhecida entre locais e aventureiros brasileiros, não tendo tantos turistas como as outras. Ela começa na praia Lagoinha e termina na praia Fortaleza ou o contrário. Pode-se acampar selvagem nas praias ou fazer a trilha em um dia. Tenha atenção que ela é no mato, então é bom trazer repelente e botas de trekking. Água é essencial (pode-se comprar pelo caminho mas o preço é salgado) e leve alguma comida. Pode-se comer em algumas das praias, em barracas de estrutura básica.

O mar aqui tem uma tonalidade muito bonita, bem azul e as praias são pequenas baías quase sem ondas. Se fizer num dia de semana não vai ter muita gente. Nós fizemos num fim de semana prelongado e ainda assim não tinha muita gente.

Como chegar: de Ubatuba ou Maresias pegue o ônibus intermunicipal e pergunte aos locais a entrada da trilha, eles saberão dizer!

7prais 02
Wild beach – praia selvagem.

Extra: check our post about Isla del Sol – a trekking in Bolivia’s part of the Titicaca lake which costs only cost us 10 USD, with transportation (boat from and to Copacabana).

Extra: vê aqui o nosso post sobre Isla del Sol – um trekking no meio do lago Titicaca  que apenas custou 32 R$ contando com transposte (barco de e para Copacabana).

Our 10 day itinerary in Ecuador! O nosso itinerário de 10 dias no Equador!

IMG_1139 copy
Quilotoa – Ecuador

Ecuador just made sense. Since we where going to Colombia next, why not just go further north? And it was a good surprise! It has a  lovely country side, with big volcanos, lots to see, eat and enjoy.

IMG_1163
Calle las sete cruces – Quito

We didn’t research much and the first thing we weren’t expecting, was the temperature, since we came from the coast of Peru, where was pretty hot, as soon as we got out of the bus in Cuenca, we were chilling and thinking… where the hell is my summer? At this time of the year it’s rainy season, making the weather between 9ºC-16ºC. With altitude, it aggravates, in Quilotoa, 3800 meters above sea level, it was -4ºC at night! But this didn’t stop us to have a awesome time.

We also have a friend that helped with the route (thanks Theresa!) so we didn’t make bus trips above 7 hours, and even though things are close, buses in Ecuador tend to stop everywhere, and  it’s normal to have people standing some part of the way. We saw peculiar things such as a man doing a political speech, in a bus also. They were dirty cheap, as gasoline costs around 1,70 dollar per gallon. (average cost of the bus: 6 USD)

The currency is in dollar, making Ecuador a little more expensive. Specially because of the increment of the tax, because of the earthquake a year ago, from 12% rose to 14%. Although is still cheap for Americans and Europeans, for us it was more tricky. We spent around 27 dollars per day. We found hostels to be expensive too, being cheap to spend around 10 dollars per night. But we found some private rooms for 8 dollars for each and pretty and were stoked about it!

IMG_0972
Church in Cuenca – Igreja em Cuenca

You can still eat lunch (first and second course with a drink) for 2,5 USD and a big water is 80 cents. Try “encebollado” a fish stew with lots of onion! We also found out that tap water is drinkable in Quito, saving a lot of money and saving the planet as well! We loved the women selling whole fruits like mango and pineapple perfectly cut and unpeeled for 50 cents. Bananas cost only 1 dime! And beer is still cheap, being average 600ml for 2 USD in a bar.

IMG_1098
Encebollado

Anyways, if you don’t have much time you can do this itinerary in a week and maybe even spend less money. We loved so much in Baños that we decided to stay 3 nights instead of 2. Because there is so much to do, and it’s pretty cheap too (we rented bikes for 5 dollars a day!) you can easily stay 4 or even 5 days! We heard good things about the coast too but unfortunately we couldn’t add this to our trip, since we have a flight to take in some days! 

IMG_1272
Ecuador line – Linha do Equador 

O Equador fazia sentido. Já que íamos para a Colômbia porquê não subir ainda mais a norte? Foi uma boa supresa! Ainda que tivéssemos chegado na fronteira num ônibus vazio, felizmente fronteira é bilateral então sai-se do Peru e entra-se no Equador no mesmo lugar.

Não tínhamos pesquisado tanto sobre o Equador como sobre a Bolívia ou o Peru por exemplo, então foi um choque para nós saber que aqui faz frio! Como tínhamos acabado de vir da costa do Peru, a primeira coisa que pensamos ao sair do ônibus em Cuenca foi… para onde foi o meu verão? Bom, ficamos a saber que estávamos de novo na época de chuvas (de novo, baixa estação!) e que a temperatura média é entre os 9ºC e os 16ºC. Com altitude, as temperaturas baixam ainda mais e quando chegamos a Quilotoa, a 3800 metros do nível do mar, estavam -4ºC de noite! Mas isso não nos impediu de aproveitar ao máximo este país. 

IMG_1125
Quilotoa

Felizmente, tivemos uma amiga que nos ajudou com a rota (Obrigado Theresa!) e não fizemos viagens de ônibus de mais de 7 horas. Ainda que as coisas sejam pertinho, os ônibus param bastante. É comum ter pessoas em pé uma parte do caminho. Também vimos coisas bastantes peculiares como um homem fazendo um discurso político no meio do ônibus (e sendo mandado calar pelos locais!). Aqui os ônibus são bem baratos, custando em média 6 dólares por viagem (20 R$) e achamos que é porque a gasolina é bem barata, custando o galão (3,7 litros) cerca de 1,70 USD (5,30 R$).

IMG_1223
Basílica de Quito – Basilica of Quito

A moeda local é o dólar e por isso tudo fica um pouco mais caro, especialmente porque tínhamos acabado de sair do Peru, onde o Nuevo Sol é quase igual ao real (1 sol=1,05 R$). Para além disso houve um aumento no imposto de consumo (IVA) que de 12% passou a 14% (quase todos os hostéis sofrem um aumento de 24% pois cobram para além da taxa, uma taxa de serviço de 10%). Apesar de continuar barato para europeus e americanos, para nós não foi tão barato, gastámos em média 27 dólares por dia. Hostéis custam em média 10 dólares (35 R$) mas conseguimos um hostel em barato em Baños onde pagamos 8 USD (25  R$) cada, em quarto privado. 

IMG_1100
Swing at the end of the world – balanço do final do mundo – Baños

E no mais, ainda dá para almoçar por 2,5 USD (8 R$), que é quanto custa o menu, composto por uma entrada, prato e refresco. Experimente o “encebollado“, um guisado de peixe com bastante cebola. A água da torneira é potável em Quito e isso dá para poupar algum dinheiro e plástico, ajudando o planeta. E adoramos as barraquinhas com mulheres vendendo frutas inteiras, como manga e abacaxi, descascadas e cortadas, por 0,5 USD (1,5 R$). As bananas aqui custas 0,10 US (0,3 R$) então continua sendo um país bastante amigável para o bolso do mochileiro. A cerveja é relativamente barata, custando em média 2 USD (6,5 R$) em bares, mesmo em Quito.

IMG_1175
Calle Ronda – Quito

Se você não tiver muito tempo, pode fazer este roteiro ainda em menos tempo (1 semana) e talvez gastando até menos. Quando chegamos em Baños, descobrimos que tem imensas coisas para fazer, acabamos ficando mais uma noite, para aproveitar melhor a cidade. Alugamos umas bicicletas por 5 USD (16 R$) o dia inteiro! Então se você tiver tempo pode até ficar uns 4, 5 dias fácil. Também ouvimos muito boas coisas sobre a costa mas infelizmente não tivemos tempo para a explorar! Fica para a próxima, Equador!

IMG_1307
Pichincha trek – Quito

 

Salar de Uyuni – Bolívia’s Tresure • Salar de Uyuni – Um tesouro na Bolívia

We knew we wanted to came here but what we experienced here was something beyond anything we would have imagined. We chose to do the 3 days tour (2 nights) and we talked to other backpackers about it and everyone was unanimous that it was very tiring. You will walk a lot, in a hot sun and in altitude which means you will have to hydrate very often (3 liters per day!) and even if we were dead when we arrived to Uyuni city, it was a pretty amazing adventure and would recommend to everyone (if you don’t mind not having a shower sometimes and sleep for few hours!) that wants to see a little bit of the beautifull and untouched Bolivian natural wonders.You can do the tour from San Pedro or from Uyuni (cheaper) or you can also do a day tour to Salar only. We paid 160 dollars for the 3 days and spend 250 bolivianos (around 37 dolars) in the park entry, thermal waters, to have a hot shower on the second day and in some beer, the rest like food and acomodation is included in the tour.

img_9156
Our awesome group! – o nosso grupo maravilindo!

On the first day, the agency picked us up around 7:30 AM in your hostel, from there you will go to the Chilean and Bolivian border, this where you stamp you passport and eat breakfast. After this they will take you to the entrance of the national park: Reserva Nacional de Fauna Andina. You will pay 150 bolivianos (21 dolars) to enter this park.

img_8632
Laguna Blanca

The first stop is Laguna Blanca and after Laguna Verde, in this lagoon, with the Licancabur volcano on the other side, the minerals in the water it seems to be green. Unfortunately it only happens sometime in the day and when we arrived it was still brown. Next stop, the thermal waters – very nice and the only contact you will have with water in that day. After this you will stop in Sol de la Mañana: a big geyser.

img_8675
Sol de la mañana

After this you will stop in the “hotel” to put your stuff there, take a small nap and eat lunch. In the afternoon we went to Laguna Colorada, a lagoon with red reflections because of the minerals and fictoplacton that habits there. This where you will see lots of flamingos! They’re super cute and we couldn’t stop photographing them! From there we went to the hotel and played some ping-pong, eat dinner and drank some wine with our lovely group (we were 3 couples, german couple, us and a chilean couple).

img_8700
Laguna Colorada

We woke up around 6:30 AM next day and headed to another lagoon and got to see 3 vicuñas chasing away a fox (zorrito)! After this we headed to rocks with weird shapes and climbed up one of them to see “little Italy” a geological formation that was mistaken by a village seen from far away by an italian tourist that got lost here (she was saved by the people in the near pueblo, Villamar).

img_8881
3 vicuñas and a fox – 3 vicuñas e uma raposa

After this we ate lunch and went for a walk in a big canyons full of wild llamas (Llamas are domesticated animals!) and other birds. Lovely place. After the big walk we went to see a river called Anaconda (the real name is Alota) because of its shape. From there we went to a little pueblo (village) and drank some quinoa beer but it expensive and it wasn’t good. From there we went to San Juan and stayed in a salt hotel. Although we wouldn’t really call it a hotel it was very comfortable and had energy (the other place only has energy until 10pm) and even a hot shower (for 10 bolivianos)! We drank some more wine and after went to sleep because we had to wake up very early as we wanted to see the sunrise in the Salar.

img_9045
Wild llmas – lhamas selvagens

We woke up around 3:45 AM and went straight to the Salar. This was definitely the high point of the trip, when we arrived there was the full moon on the side, with a just amazing reflection and the whole sky full of stars where reflecting in the water. In an hour everything changed and we got to see this unbelievable sunrise that there are no words to describe, really but we leave you with our humble photographies.

img_9245
Sunrise in Salar del Uyuni – Amanhecer no Salar de Uyuni

The last day we spent it whole in the Salar. The salt flat is like a desert, only worse because it reflects all the light so you will have to drink a lot of water in this day. We went to Isla del Sol and took the traditional perspective photos, went to the first salt hotel and eat lunch in the Salar too! After this we went to Colchane to buy tradicional souvenirs (we only bought a magnet for our collection for 5 bolivianos) and from there to the train cemetery, as Uyuni used to have a lot of exportation of salt and other minerals, nowadays it lives of touristic activity and some salt extraction as well.

img_9361-copy
Jumping in Salar – Saltando no Salar

It was a great day but when we arrived to Uyuni we couldn’t face the night bus ride to La Paz (as our german friends!) so we stayed in a hostel in the center of Uyuni and slept for 12 hours! 🙂

Some tips: January is the rainy season. If you go in this particular month there will be only water, which means beautiful sunrise and sunset but you can’t see the other parts of the Salar. We were very lucky because we could see the water and also the dry part of the salt flat and this was because it rained a lot 2 weeks before! But nature is unpredictable and sometimes it rains in February as well. We would advice you to try come early February as you will see the water mirror  and the dry part was well!

img_9396
Salar del Uyuni with a chola – Salar de Uyuni e uma chola

Há muito que queriamos vir aqui, mas aquilo que experienciamos é dificil de imaginar. Escolhemos fazer o passeio de 3 dias, 2 noites e partimos de San Pedro del Atacama, quando perguntamos a outros mochileiros toda a gente foi unânime que era bastante cansativo, pois anda-se bastante, debaixo de um sol ardente e em altitude, o que faz que você tenha de beber pelo menos 3 litros de água por dia! E apesar de estarmos mortos de cansados quando chegamos á cidade de Uyuni, aconselhamos a todos esta aventura maravilhosa, se você não se importar de não tomar banho um dia e dormir poucas horas para ver a linda e intocável natureza boliviana. Você pode começar o passeio de San Pedro do Atacama, da cidade do Uyuni (50 dólares mais barato) ou fazer passeios de um dia apenas ao Salar. Pelo nosso passeio pagamos 160 dólares (500 reais) e gastamos 250 bolivianos (120 reais) com a entrada do parque, para ir nas águas termais, tomar um banho quente na última noite e comprando umas cervejas, tudo o resto está incluído no pacote.

img_8791-copy
Baby llama and her mother – Uma llama bebé e a sua mãe
No primeiro dia a agência nos pegou no hostel por volta das 7:30 da manhã e a primeira parada é nas fronteiras chilena e boliviana, ai você carimba o seu passaporte e toma café da manhã. Aqui é também onde se troca para os jipes 4×4 onde você vai passar os próximos 3 dias. Depois disto você para na entrada do parque para pagar 150 bolivianos de entrada no parque: Reserva Nacional de Fauna Andina.
img_8651
Laguna Verde with the Licacanbur – Laguna verde com o Licacanbur
Dai se faz as duas primeiras paradas: Laguna Blanca e na Laguna Verde, esta lagoa, com o vulcão Licacanbur do seu outro lado contém minerais que com a luz solar reflecte uma linda cor verde. Infelizmente isto só acontece a partir de um certo momento do dia e quando paramos a água ainda estava castanha (ver foto em cima). Próxima parada: águas termais a 40 graus e com uma maravilhosa paisagem dos andes. Esta é o único contato com água que você vai ter nesse dia. Depois disto segue-se para Sol de la Mañana: um grande géiser.
img_8753
 Laguna Colorada with lots of flamingos- Laguna Colorada cheia de flamingos!
Pela hora de almoço, você vai para o “hotel” (em quarto compartilhado) deixa a suas coisas, descança um pouco e almoça. Á tarde o passeio é na Laguna Colorada, uma lagoa vermelha por causa do fitoplacton que ali vive e com uma enorme concentração de flamingos! Eles são tão fofos que não conseguimos para de os fotografar! Depois disto seguimos para o hotel onde jogamos pingue-pongue, jantamos e bebemos uma garrafa de vinho que tínhamos trazido do Chile com o nosso grupo maravilhoso (composto por 3 casais: nós, um casal alemão e um casal chileno).
img_8839
Another lagoon – Outra lagoa
Acordamos ás 6:30 da manhã no dia seguinte e seguimos para outra lagoa com flamingos. Dentro do carro, avistamos 3 vicuñas afastando uma raposa! Momento Animal Plante do dia! Dai fomos para algumas estranhas formações rochosas e subimos no alto para ver de cima uma formação chamada de “Pequena Itália“, que se assemelha a uma vila, o nome advém de uma turista italiana que se perdeu aqui e foi salva pelos habitantes do pequeno pueblo próximo, Villamar.
img_8960
Little Italy – Pequena Itália
Almoçamos e fomos dar uma volta por um cânion cheio de lhamas selvagens (eles são animais domesticados por aqui) e outras aves, muito bonito. Depois desta caminhada de mais ou menos uma hora, voltamos para o carro e fomos avistar um rio chamado pelos locais de Anaconda, pelo seu formato, o nome do rio é Alota. Daqui paramos num pequeno pueblo onde experimentamos cerveja de quinoa (que é cultivada aqui também pois necessita de pouca água e altitude para crescer) mas para além de cara, não gostamos. Seguimos para o “hotel” de sal no pueblo de San Juan. Apesar de não podemos chamar de hotel era bastante confortavel, tinha electrecidade e até um duche quente (por 10 bolivianos). Nessa noite jantamos, tomamos mais um vinho e fomos dormir cedo pois tínhamos de acordar cedissimo do dia seguinte para ver o amanhecer no Salar.
img_9045-copy
Wild Llama – Llama selvagem
Acordamos por volta das 3:45 da manhã e seguimos para o Salar. Chegamos por volta das 5:30 e não tem palavras para descrever o que vimos: a lua cheia, amarela, se escondedo atrás das montanhas, com o céu todo estrelado tudo reflectindo no espelho d’água, incrível. Em uma hora tudo mudou e vimos um dos amanheceres mais bonitos na vida. Não existem palavras para explicar pois é surreal de bonito, então deixamos aqui as nossas humildes fotografias!
img_9221-copy
André photographing the sunrise – André fotografando o amanhecer
Este último dia passamos no Salar. Aqui é como um deserto mas para pior pois o sal reflete todo o sol e por isso é impotante que você se hidrate bastante neste dia. Fomos na Ilsa del Sol, com milhares de cactus e tomamos café ali. Fizemos as típicas fotografias de prespectiva, fomos no primeiro hotel de sal e na estátua do Dakar e almoçamos no Salar mesmo. Depois de almoço passamos na vila de Colchane que vende tradicionais souvenirs (apenas compramos um imân de geladeira para a nossa coleção por 5 bolivianos) e por fim fomos no cemitério de trens. Uyuni nos anos 60 era um importante polo de transporte de minerais através de duas linhas ferroviárias, agora quase desativadas. Hoje em dia vive do turismo e ainda existe extração de sal feita por coperativas locais.
16731863_10212209038520639_560452752_o.jpg
Tradicional prespective photos – Fotografia tradicional de prespectivas
Quando chegamos á cidade Uyuni não conseguimos enfrentar uma viagem noturna até La Paz (como os nossos amigos alemães) então ficamos no hostel por lá onde dormimos 12 horas de seguida!
Algumas dicas: Janeiro é a época de chuva. Se você for neste mês você vai ver o lindo espelho d’agua mas apenas isso pois o jipe não atravessa o Salar. Nós tivemos uma sorte enorme e conseguimos ver o amanhecer na água mas também tirar as tradicionais fotografias de prespectiva pois o resto do Salar estava seco. Se tivessemos esperado mais 3 dias talvez já toda água tivesse evaporado! A natureza é imprevisivel então aconselhamos você a tentar vir nesta altura do ano (inicio de fevereiro) pois é mais provavel que consiga ver água e também parte seca.

San Pedro de Atacama – a dream that came true! • San Pedro de Atacama – um sonho tornado realidade!

 

mote
Mote con Huesillos: a typical and delicous chilean drink • uma bebida chilena deliciosa

For our American Latin trip, we started where we ended the last trip (The Patagonian Adventure • A Aventura Patagônica ): Santiago, Chile’s capital city. We had already spent around a week here last time, so we seized this opportunity to see our chilean friends again and went to eat lunch with them in Radicalles, a left-wing restaurant, bar, cinema and cultural center. We then decided to do something we hadn’t done yet which was to go up the Cerro San Cristobal  and see Santiago from a high perspective. We only spent a day there and the next day we took the long 24 hour bus ride to San Pedro de Atacama. As soon as you enter the city, with the beautiful Lincacabur vulcano, you can already feel the amazing mystical place that San Pedro del Atacama is, with the snowy Andes Mountain range framing the village.

raposa
fox crossing the road • uma raposa atravessando a estrada

In the mains street, calle Caracolles, there are around 50 agencies where you can book the day tours. Almost all of them offer the same tours and the difference of price between them is in the food they offer (normally breakfast and sometimes lunch too if it’s a day tour).The bad part of coming in the summer is that it will be full of tourists. But the good part is that the weather is not (so) extreme. In the Geisers tour del Tatio tour, it was around -4 ºC but if you go on winter time it can reach around -15º C!

img_8302-copy
Geisers del Tatio: one of the biggest geyser camps of the south hemisphere! • Um dos maiores campos de geisers do hemisfério sul

But Atacama is quite expensive as you will have to pay for the tours and the entries of the national parks. To save some money, we stayed a little further from the city center (SPA is a very small city, so everything is pretty close) in Hostel Laskar in a shared room and cooked almost every meal. Also, we booked all of the 5 tours (Lagunas Altiplanicas, Valle de la Luna, Geisers del Tatio, Astronomic tour and Lagunas escondidas) in the same agency, Atacama Connections – the girl was brazilian and gave us a great discount! Thank you so much Juliana (and she has got a blog as well!)

img_8479-copy
Valle de la Luna
img_8491-copy
Salt rock • Pedra de sal – Valle de la Luna

We thought the tours were very complete, you will see local fauna like Vicuñas, Lhamas and Foxes, the guide will tells you lots of information about the Andes mountain range and the vulcanos around it (there are around 1,200 vulcanos in Chile!) and other curiosities! We thought the food was pretty good and there are always options for vegetarians (Agata was really happy about that!). They will stop in small desert villages and you can even eat Lhama meat in the Geiser del Tatio tour! (André loved it!).

Our next stop: Uyuni Salt Flat!

img_8342-copy
Vicuña and a vulcano • Vicuña e um vulcão (Tour Geiser del Tatio)

A nossa aventura Latina Americana começou onde a nossa última viagem terminou (The Patagonian Adventure • A Aventura Patagônica ) – Santiago, a capital do Chile. Como já tínhamos ficado uma semana da outra vez e já tínhamos feito quase todas as atracções turísticas, aproveitamos para almoçar com os nossos amigos chilenos que nos tinham acolhido da outra vez, no restaurante Radicalles, um restaurante, bar, cinema e centro cultural de esquerda. Depois decidimos subir no Cerro San Cristobal e ver Santiago do alto. Ficamos apenas um dia e no dia seguinte pegamos uma longa viagem de ônibus de 24 horas até San Pedro del Atacama. Se conseguirem marcar com mais ou menos um mês de antecedência o trecho Santiago – Calama (cidade com o aeroporto mais próximo) fica mais barato do que ir de ônibus (pagamos 200 reais por esta viagem!) pois várias pessoas nos falaram isto no hostel. Infelizmente seria impossível para nós, pois compramos a passagem de avião para Santiago com menos de 2 semanas. Assim que você chega perto da pequena cidade de San Pedro, com o vulcão Licancabur emoldurando a cidade, você já sente o misticismo de uma vila no meio do deserto, enquadrada pelos lindos e nevados Andes.

img_8144-copy
Tour Lagunas Altiplanicas – Laguna Miscanti

A rua principal chama-se Calle Caracolles e tem cerca de 50 agências para marcar os passeios. Quase todas oferecem os mesmos passeios e com preços similares pois as diferenças de preço podem significar que a comida oferecida nestes passeios (café da manhã nos passeios de manhã e alguns passeios oferecem almoço também, se for o dia inteiro). O ruim de vir no verão é que vai estar CHEIO de turistas (e bastantes brasileiros!). O bom de vir no verão é que as temperaturas não baixam tanto como no inverno. Por exemplo, no passeios dos Geiser de El Tatio nós apanhamos -4º C mas no inverno chega a -15ºC!

16523513_10212155623985309_1286845665_o-copy
Smoking a geyser! • Fumando um geiser!

San Pedro é bastante cara e você tem de contratar os passeios e também pagar as entradas nos parques nacionais então para poupar um pouco ficamos num hostel mais longe (mas como a cidade é pequena, tudo é relativamente perto) num quarto compartilhado, no Hostel Laskar e optamos por cozinhar quase todas as nossas refeições. Poupamos também fechando 5 passeios pela mesma agência – a moça era brasileira e fez um óptimo desconto! Obrigado Juliana, vejam aqui o blog dela!

estrelas
Astronomic tour  • Tour astronómico

Contratamos 5 passeios: Lagunas Alitplanicas, Valle de la Luna, Geisers del Tatio, Lagunas Escondidas (lagoas com alta concentração de sal onde se flutua) e o tour astronómico. Achamos os passeios bem completos pois você vê a flora e fauna local como lhamas, vicuñas e raposas e o guia fala também sobre a cordilheira dos andes e os vulcões por ali existentes (o Chile tem mais de 1200 vulcões!) e ainda outras curiosidades!

flamingo
Flamingos (tour Lagunas Altiplanicas)

A comida era boa e sempre tem opção para vegetarianos (para a felicidade da Ágata). Também se fazem várias paradas para tirar fotografias  e em pequenas vilas no meio do deserto. No passeio dos Geisers de El Tatio há uma parada para comer um espetinho de Lhama (e o André adorou!). Próxima parada: Salar de Uyuni!

img_8365-copy
Lhama meat • churrasquinho de Llama

 

Torres del Paine – the W Circuit

As promised, here we are, telling you everything you need to know about a very known trekking circuit: Parque Nacional de las Torres del Paine. We absolutely loved this, even if it meant we didn’t shower for 3 days!

The closest city to is Puerto Natalles, around 2 and half hours away from the entrance of the Park. It’s a small city but it has good structure with hostels, supermarkets and lots of shops to buy or rent everything you need to camp for a few days. We rented pretty much everything (tent, sleeping bags, little  because it’s pretty cold and everything has to be thermal. At the time, we lived tropical country and the tents and sleeping bags we had were not enough for this kind of weather. The prices were OK: 50 dollars for the 3 days for 1 tent, 2 sleeping bags, sleeping pads and stove. But if you can have this kind of equipment you can save this money!

Our first tip is to go to the everyday meeting 4 PM in the Hostel Basecamp. Here, a dutch lady explained us everything we needed to know, where to start the circuit and even where you must go to reserve your free camping! Also, you get coffee and tea for a small donation.

05
Lake Pehoe – Lago Pehoe

In Torres del Paine you can do 3 circuits: the W – 3 to 4 nights, the O (circular around the mountains) – takes around a week and the Q – a variation on the O circuit, takes around a week to 9 days. The most common is the W circuit, and it was the one we did. If you have the time, do the longer one, you will not regret it. Other tip: if you camp in the wild, be carefull about your food, latter we meet an italian couple that had almost all their food stolen by a fox in the first day of the O circuit!

From Puerto Natalles you can take 2 buses, one early in the morning and other around 2 PM, but we choose the early one. Here were it gets expensive: 35 dollars as entrance fee for any foreigner. From there, if you’re doing counter-clockwise, you’ll have cross the Pehoe lake: 22 dollars each. This is crazy right?! We talked with a chilean friend and he told us that not many south americans or even chilean go there as it gets pretty expensive. From there you can choose to go straight to the Grey glacier and camp there or camp in Paine Grande. Both of them are private, but this means you get to have a hot shower. We stayed at Paine Grande for 15 dollars for the tent – at this time we were really worried about having no money ! The good thing is we didn’t spend any money for the next 2 days. Although the camping has great structure, we suggest you stay in the Grey camping near the glacier, because Paine Grande is known by the hard winds. It was hard to sleep at night thinking your tent might flight….

06
An iceberg from the glacier – Um iceberg do glaciar

The park has a great structure, with well marked trails, lodges in the camping ground so you will see families and older people. Sometimes in the park you can  stay in public camping – this means you will not have to pay but  sometimes you will need to make a reservation beforehand. We choose to save a little and stay in 2 free camps but this means no shower and precarious toilet. You’ll have to wash your kitchen wear near  the river (but not to the river). This is also where the park rangers live and they will give you instructions. For us it was great, we got to interact more with people – the first camping people were drinking and doing a mess.

 

For the last day, people normally get up pretty early and go to see the sunrise at the Torres. A beautiful orange color emerges and stays for around 3 minutes, a nature show that is worth the one hour hard trekking to get there – the worst part of the circuit! (take the sleeping bag with you and enjoy the view not freezing to death!). After the early rise, it’s great to return and have a warm breakfast – this will give energy to do the last part of the trekking! And when you’re coming back to get to the bus, enjoy your last minutes before returning to reality!

01
Sunrise in Las Torres – Amanhecer nas Torres

What to bring (summer time): sunglasses, comfortable clothing (1 trousers+ 1 shorts, 3 t-shirts, second layer, socks and underwear) your trekking boots, sunblock, personal hygiene stuff, compass (or app), solar charge, your camera & extra battery, water bottle (to fill – all water is potable), flashlight, flip-flops and a towel + sleeping bag, tent, sleeping pad and food.

What kind of food we took: chocolate, nuts, cereal bars, bread and cheese or ham, some fruit like apples and oranges, oatmeal, instant coffee, tea, sugar (for breakfast), instant noodles and stuff you can cook in a small camping stove.

ECO TIP: offline maps of the trekking routes are available.

img_3385_1
Los Cuernos

Como prometido, estamos escrevendo as dicas para o muito conhecido circuito de trekking: Parque Nacional das Torres del Paine. Nós amamos esta aventura, mesmo ficando 2 dias sem tomar banho!

A cidade mais próxima é Puerto Natalles que fica a 2 horas e pouco de distância da entrada do parque. É uma pequena cidade mas com estrutura para acolher os milhares de turistas que todos os anos vêm fazer este trekking, com hostels, restaurantes, supermercados e todo o tipo de lojas que vendem e alugam o material necessário para acampar uns dias no parque. Nós alugamos o material pois o nosso material de acampamento não resiste a temperaturas tão baixas: os nossos sacos de dormir e tenda são para o clima subtropical onde vivemos. Os preços para alugar material foram OK: 180 reais para 3 dias por uma tenda, dois sacos de dormir, dois colchonetes e um fogareiro. Se vocês tiverem uma barraca para condições mais extremas, levem e poupem este dinheiro!

img_3319_1-copy
Just a landscape – Apenas mais uma paisagem

Uma dica importante, venham um dia mais cedo porque em Puerto Natalles tem uma reunião todos os dias no hostel Basecamp às 4 da tarde. Aqui uma moça holandesa explicou bem direitinho onde começar a trilha e deu outras dicas muito legais e importantes (como sobreviver se começar a chover, onde reservar os campings gratuitos etc). Eles oferecem café e chá por uma pequena contribuição!

No parque você pode escolher entre 3 circuitos: o W (4 dias, 3 noites), o O (circular pelo parque, uma semana) e o Q que é uma variação do O com mais um dia. Nós fizemos o circuito W, mais conhecido e o que a maioria das pessoas faz. Para os mais aventureiros, recomendamos fazer a trilha de uma semana, o seu corpo rapidamente se habitua ao esforço e você não se vai arrepender. Uma dica: tenha cuidado com a sua comida, você está na natureza. Mais tarde conhecemos um casal de italianos que tinha ficado quase sem comida na sua primeira noite pois foram roubados por uma raposa.

img_3445_1-copy
English viewpoint – Mirante Inglês

De Puerto Natalles tem 2 ônibus diários para o parque, de de manhã cedo e um por volta das 14, nós pegamos o da manhã cedinho! Aqui é onde fica caro: 35 dólares para entrar no parque, para qualquer estrangeiro, para chilenos é mais baratos. Para começar a trilha, no sentido contrário ao relógio, tivemos de atravessar de catamarã o lago Pehoe: 22 dólares por pessoa. Bem caro não?

Quando você chega do outro lado você pode escolher acampar logo (no acampamento Paine Grande) ou continuar até ao acampamento Grey. Nós escolhemos acampar ali e fazer um bate volta ao glacial Grey. Mais 15 dólares por tenda! Neste momento, começamos a achar que tínhamos errado nas contas e íamos ficar sem dinheiro… mas nos dias seguintes, como ficamos em acampamentos do parque, que são gratuitos, não gastamos nenhum dinheiro! Em compensação não tomamos banho e o banheiro era precário.Sugerimos que fique no acampamento Grey pois os fortes ventos de noite no Paine Grande não nos deixaram dormir.

img_3159_grey
Grey Glacier – Glaciar Grey

O parque tem todas trilhas assinaladas (atenção, as trilhas fecham as 18H!) e uma boa estrutura, todos os acampamentos tem camaradas e quartos, por um preço mais salgado, se você não quiser acampar. Isto é também a razão pela qual você vai ver famílias e pessoas mais velhas fazendo as trilhas. Nos acampamentos do parque você poderá ter de fazer uma reserva de antemão. Apesar das condições, preferirmos os campings gratuitos, no primeiro camping tinha muitos jovens fazendo zoada e bebendo.

A última manhã é reservada para ver o amanhecer nas torres: um espetáculo da natureza em que vários tons de laranja e  vermelho refletem nas enormes formações rochosas que dão nome ao parque. Leve o seu saco de dormir e não morra de frio, depois de fazer provavelmente a parte mais difícil do trekking (uma subida de quase uma hora para o mirante das torres desde o acampamento mais próximo). Voltando para o acampamento e tome um bom café da manhã quente, aproveitando as últimas horas até voltar para a realidade.

img_3785
Las Torres

O que levar (verão): roupa confortável (1 calças+1 bermuda, 3 camisetas, meias e roupa de baixo), óculos escuros, protetor solar, garrafa de água (para encher – a água é potável), botas de trekking, itens de higiene pessoal, bússola ou app, carregador solar, uma toalha, câmera e uma bateria extra, lanterna, chinelos + tenda, saco de dormir, colchonete e comida.

Que tipo de comida levar: chocolate, frutas secas, barras de cereal, pão e queijo, algumas frutas ( maçãs, laranjas), café instantâneo, chá, aveia (para o café da manhã), massas instataneas e outras coisas possíveis de cozinhar num pequeno fogareiro.

Dica Eco: os mapas das trilhas estão disponíveis para baixar e usar offline.

03

 

WordPress.com.

Up ↑

%d bloggers like this: