Search

Backpacker couple

Travel with less money!

Not so obvious stuff we are taking on our backpack for a 3 month trip!

We have been saving money for around a year now and in less than a week we are leaving Brazil to travel from São Paulo to Cartagena, in north of Colombia! We are so happy because we are starting where we ended our last trip (Santiago, only this time we are going straight to Atacama’s  desert!) two years ago, on the same date (the Patagonia Adventure), how cool is that?!

We going to do some trekking on the mountains of Peru, going to the beach in Ecuador and going to big cities like La Paz and Lima, a perfect mix between culture, nature and people and the kind of journey we love. It’s a 3 month trip, mostly done by bus (cheapest way to get around) and we have to be prepared for all kinds of crazy weather or situation, so  we thought we might share with you things we are taking on our backpacks that are not so obvious! *for a 3 month trip. 

Note: we are travelling with a 50 litre backpack from Quechua.

 

backpack.jpg

  1. Gopro & floater: we are hitting the beaches, we love the wide lens and the fact its a small compact camera, great to take on hikes.
  2. Neck cushion: this one is inflatable so it doesn’t take any space on our backpacks. Essential for the long bus rides we are going to do.
  3. Dry fit towel: easy to dry and takes no space on our backpacks.
  4. Rain ponchos: we have waterproof jackets but this can easily help us out on many occasions including to protect our backpacks!
  5. Jack split: for listening music together and seeing movies without bothering anyone. On our last trip we didn’t have and we were always that couple sharing the earphones.
  6.  All sorts of medicine: this one is obvious but, seriously, take some pills with you!
  7. Bucket power: this is a life saver! It can actually charge any of our phones and also the Gopro.
  8. Wide lens for Iphone: because we really love wide lens!
  9. 2 decks of cards: for boredom, long bus drives, rainy nights… and a great way to meet new people!
  10. Power adapter: hopefully we won’t need it but you never know..
  11. Camping kitchen ware: we bought this for Torres del Paine and we are taking this time because we are going to do other trekkings.
  12. Seasoning: this one is not so obvious and totally worth taking because we have all stayed in a hostel that didn’t even had salt to cook, haven’t we? We used tic-tac empty boxes for it.
  13. Solar bucketpower: it was really cheap (30 reais, less than 10 dollars) and we can just attach on top of our backpacks and charge it, it has a light in it (and it works too!). Great for hiking and other places with no energy (the Uyuni Salt flat for example)
  14. Swiss army knife: a friend advised us to get one and we did. We choose one that had a wine opener because… we will sure going to use it!
  15. Code Lockers: great because you don’t have to worry about the key.
  16. Analog camera: last time we didn’t take it and we later regretted it. The texture of photography is just great! (it’s a Fujica from the 80’s and used to belong to Agata’s parents)

What about you? Do you take any not obvious stuff in your backpack?

 

Featured post

The Patagonian Adventure • A Aventura Patagônica

For our second large trip we travelled for around 45 days in the south of South America. We were living in São Paulo at the time, and because we were both freelancers we decided to travel around February (this is high season here but also, warmer because it’s summer). We went from São Paulo to Florianópolis where we stayed with friends. From there we went to Porto Alegre to meet some other friends. This is in the south of Brasil and you can really tell a difference from all the others states: for example, everything is very plain, not like the states of São Paulo or Bahia with lots of mountains or canyons.

From there we went to Uruguay, where we stayed in 3 beaches: Cabo Polonio, a small eco village with no electricity, La Pedrera, a small fishermen village with a great beach and La Paloma, bigger, family oriented beach.

After Uruguay, we took a bus to Buenos Aires, a lovely city, where you can be easily be tricked to believe you’re in Madrid or Paris.

buenoaires
El Caminito – Buenos Aires

Then we took a flight to Ushuaia, in Tierra del Fuego island. From there we went by bus, first to Puerto Natales, in Chile – to do the Torres del Paine trekking. This is a very known and touristic trekking, but for us, the most magical place of Patagonia. Soon to have a post about it!

Next we went to El Calafate and visited the Perito Moreno Glacier, drink with some nice people from the hostel and from there went to El Chalten.

El Chalten is a small village surrounded by mountains and just near the National Park of Glaciers. All kind of tourists and trekkers come here to do the Mount Fitz Roy trekking and others. Lovely village and great (and for free!) trekking with rocky high peaks, rivers and lagoons with turquoise water.

fitz01
Mt. Fitz Roy – El Chalten

After this, we took a 24 hour bus to Bariloche where we stayed just couple of days to relax. This is the north part of Patagonia and the landscape is completely different, very green with mountains and rivers, instead of the “estepa , a desert like landscape, that gets arround 50 mm of snow a year.

We meet a friend from back home (André’s city) and we travelled together for the last part, which was to cross to Chile. We took a 18 hour bus to Mendoza, and from there took a small van to Santiago. From there we took another bus to go to Valparaiso.

We finally went from Valparaiso to Santiago where we stayed at a friend’s house. From there we took a plane home, to São Paulo. It was cheaper to buy a round ticket and we were very lucky because the air company changed the time of the return flight so we could ask for full refund of the cancellation! 🙂

patagonia.gif
our route – nossa rota

Na nossa segunda viagem, ficamos 45 dias viajando pela sul da América do Sul. Como estávamos vivendo em São Paulo, fomos de ônibus até Florianópolis onde nos encontramos com amigos. Infelizmente apanhamos mau tempo e nem conseguimos ir muito nas praias. De Floripa fomos para Porto Alegre onde ficamos com  mais amigos. Continuamos pelo sul até ao Uruguai onde fomos a 3 praias: Cabo Polónio, uma praia dentro de uma reserva natural; La Pedrera, pequena vila de pescadores com uma ótima praia e estrutura e La Paloma, vila maior e mais voltada para férias em família.

Do Uruguai fomos diretos para Buenos Aires onde ficamos uns dias conhecendo a cidade – uma cidade bem diferente da América do Sul, onde facilmente você se poderia achar em Paris ou Madrid. De Buenos Aires pegamos um voo (já comprado com muita antecedência) para Ushuaia, a cidade mais austral na América do Sul.

De lá a gente foi indo em direção ao norte. Primeiro ficamos em Puerto Natales para fazer o conhecido trekking das Torres del Paine (Patagônia Chilena). E apesar de turístico, um dos momentos mais mágicos de nossa viagem!

cuernos
Los Cuernos – Torres del Paine

Subimos depois para El Calafate onde fomos ao conhecido Glaciar Perito Moreno e onde fizemos amizades com pessoal do hostel, acabando por ir beber com eles num barzinho legal. De Calafate fomos para El Chalten, uma pequena vila no meio das montanhas, conhecida como a capital argentina de trekkings. Apesar de pequena e remota, uma vila cheia de charme com várias opções de trekkings – todas gratuitas! O trekking mais conhecido é o que dá no Mount Fitz Roy, mas existem várias outras opções e quase todas incluem vistas desafogadas pela cordilheira andina, com os seus picos nevados, rios e lagoas de água azul turquesa.

Daqui pegamos um bus de 24 horas para Bariloche, na parte norte da Patagônia. A paisagem é completamente diferente com muito verde, rios e montanhas, ao contrário da paisagem do sul, cujo habitat se chama estepe patagónica é bem similar a um deserto, só contabilizando por volta de 50 mm de neve por ano.

stepo-patagonico
Estepe Patagónica

Em Bariloche encontramos uma amiga que seguiu viagem conosco. Não fizemos muito aqui porque é uma cidade completamente turística, mais cara e estávamos muito cansados então aproveitamos para relaxar.

De Bariloche pegamos um busão de 18 horas até Mendoza onde depois pegamos uma van para Santiago. Da rodoviária pegamos ainda um outro ônibus até Valparaiso, onde ficamos 3 dias.


Por fim voltamos para Santiago, onde ficamos em casa de um amigo por uns dias. O nosso voo ficou mais barato comprar ida e volta; quando chegamos a casa, a companhia aérea mudou o horário do voo de regresso e por isso pudemos pedir o cancelamento e ter o reembolso total! 🙂

Featured post

The first trip – Europe! • A primeira viagem – Europa!  

giphy

For our first big trip, we hitchhiked through Europe.

We thought about doing it by train, the classic Interrail. Ágata had already done this, a few years back, but André is Brazilian and the price of the youth ticket for non europeans is crazy expensive. So, we planned to hitchhike. Ágata had some experience in this as she had hitchhiked between Lisbon and Turin (north Italy) and it wasn’t very difficult to convince André this was a good idea! And because we saved up all this transportation money, we could afford to pay to do other cultural activities.

We were very lucky and found hosts in almost every city, the only city we didn’t had a host was Berlin where we stayed in a pretty cool hostel, but also, this allowed us to somehow feel what´s like to live in that city, which was great because it was the first time André went to Europe.

We left the end of our trip in open. We were staying with a good friend’s house in Ljubljana and he had suggested we found a cheap flight home and go to Venice, which is just some hours away. We found a cheap flight from Milan so we decided to go to Venice and enjoy our last days, instead of doing a 3 day hitch from there to Lisbon. We spent a little more here because we didn’t plan this and Venice is a very touristic place. We saved a little by eating things we brought because everything is pretty much inflated in Venice and staying outside the island. Our trip was around 30 day, a month, and we spent around 500 euros each. André spent a little more with the airplane tickets which we bought from easyjet at 80 euros each.

img_8652
Berlim

Para a nossa primeira viagem, caronamos pela Europa.

No início, queríamos ter viajado de trem, fazendo o clássico interrail. A Ágata já tinha viajado assim, há alguns anos atrás, contudo, o bilhete para não europeus, mesmo que jovens, é bem caro. Então começamos a planejar a carona. A Ágata tinha alguma experiência pois já tinha viajado assim de Lisboa ao norte de Itália (Turim), não foi muito complicado convencer o André que era uma boa ideia! E como poupamos bastante dinheiro em transporte, aproveitamos para gastar com outras atividades culturais.

Tivemos também muita sorte porque conseguimos arranjar alojamento em praticamente todas as cidades, as únicas exceções foram Berlim e Veneza. O facto de ficarmos em casas de pessoas que moram nessas cidades, permitiu que a gente sentisse um pouco de como é viver na Europa, uma experiência bem legal para o André, que visitava a Europa pela primeira vez.

Deixamos o final da nossa viagem em aberto, ficamos um tempinho em casa de um bom amigo em Ljubljana, que nos sugeriu visitar Veneza, que fica a algumas horas de lá, e arranjar um voo em low-cost. Arranjamos um voo de Milão, a 3 horas de Veneza e decidimos aproveitar os últimos dois dias em Veneza invés de ficarmos 3 dias a caronar até Lisboa. Gastamos um pouco mais porque não tínhamos contando que Veneza é uma cidade extremamente turística. Assim, poupamos comprando coisas para comer no continente e também dormindo num parque de campismo. A viagem foi de cerca de 30 dias e gastamos cerca de 500 euros cada. André gastou um pouco mais porque comprou as passagens de avião que custaram 90 euros cada (caro para um Europeu, habituado a voar por 20, 30 euros por trecho, mas um preço OK vendo que foi comprada com dois dias de antecedência).

Featured post

Salar de Uyuni – Bolívia’s Tresure • Salar de Uyuni – Um tesouro na Bolívia

We knew we wanted to came here but what we experienced here was something beyond anything we would have imagined. We chose to do the 3 days tour (2 nights) and we talked to other backpackers about it and everyone was unanimous that it was very tiring. You will walk a lot, in a hot sun and in altitude which means you will have to hydrate very often (3 liters per day!) and even if we were dead when we arrived to Uyuni city, it was a pretty amazing adventure and would recommend to everyone (if you don’t mind not having a shower sometimes and sleep for few hours!) that wants to see a little bit of the beautifull and untouched Bolivian natural wonders.You can do the tour from San Pedro or from Uyuni (cheaper) or you can also do a day tour to Salar only. We paid 160 dollars for the 3 days and spend 250 bolivianos (around 37 dolars) in the park entry, thermal waters, to have a hot shower on the second day and in some beer, the rest like food and acomodation is included in the tour.

img_9156
Our awesome group! – o nosso grupo maravilindo!

On the first day, the agency picked us up around 7:30 AM in your hostel, from there you will go to the Chilean and Bolivian border, this where you stamp you passport and eat breakfast. After this they will take you to the entrance of the national park: Reserva Nacional de Fauna Andina. You will pay 150 bolivianos (21 dolars) to enter this park.

img_8632
Laguna Blanca

The first stop is Laguna Blanca and after Laguna Verde, in this lagoon, with the Licancabur volcano on the other side, the minerals in the water it seems to be green. Unfortunately it only happens sometime in the day and when we arrived it was still brown. Next stop, the thermal waters – very nice and the only contact you will have with water in that day. After this you will stop in Sol de la Mañana: a big geyser.

img_8675
Sol de la mañana

After this you will stop in the “hotel” to put your stuff there, take a small nap and eat lunch. In the afternoon we went to Laguna Colorada, a lagoon with red reflections because of the minerals and fictoplacton that habits there. This where you will see lots of flamingos! They’re super cute and we couldn’t stop photographing them! From there we went to the hotel and played some ping-pong, eat dinner and drank some wine with our lovely group (we were 3 couples, german couple, us and a chilean couple).

img_8700
Laguna Colorada

We woke up around 6:30 AM next day and headed to another lagoon and got to see 3 vicuñas chasing away a fox (zorrito)! After this we headed to rocks with weird shapes and climbed up one of them to see “little Italy” a geological formation that was mistaken by a village seen from far away by an italian tourist that got lost here (she was saved by the people in the near pueblo, Villamar).

img_8881
3 vicuñas and a fox – 3 vicuñas e uma raposa

After this we ate lunch and went for a walk in a big canyons full of wild llamas (Llamas are domesticated animals!) and other birds. Lovely place. After the big walk we went to see a river called Anaconda (the real name is Alota) because of its shape. From there we went to a little pueblo (village) and drank some quinoa beer but it expensive and it wasn’t good. From there we went to San Juan and stayed in a salt hotel. Although we wouldn’t really call it a hotel it was very comfortable and had energy (the other place only has energy until 10pm) and even a hot shower (for 10 bolivianos)! We drank some more wine and after went to sleep because we had to wake up very early as we wanted to see the sunrise in the Salar.

img_9045
Wild llmas – lhamas selvagens

We woke up around 3:45 AM and went straight to the Salar. This was definitely the high point of the trip, when we arrived there was the full moon on the side, with a just amazing reflection and the whole sky full of stars where reflecting in the water. In an hour everything changed and we got to see this unbelievable sunrise that there are no words to describe, really but we leave you with our humble photographies.

img_9245
Sunrise in Salar del Uyuni – Amanhecer no Salar de Uyuni

The last day we spent it whole in the Salar. The salt flat is like a desert, only worse because it reflects all the light so you will have to drink a lot of water in this day. We went to Isla del Sol and took the traditional perspective photos, went to the first salt hotel and eat lunch in the Salar too! After this we went to Colchane to buy tradicional souvenirs (we only bought a magnet for our collection for 5 bolivianos) and from there to the train cemetery, as Uyuni used to have a lot of exportation of salt and other minerals, nowadays it lives of touristic activity and some salt extraction as well.

img_9361-copy
Jumping in Salar – Saltando no Salar

It was a great day but when we arrived to Uyuni we couldn’t face the night bus ride to La Paz (as our german friends!) so we stayed in a hostel in the center of Uyuni and slept for 12 hours! 🙂

Some tips: January is the rainy season. If you go in this particular month there will be only water, which means beautiful sunrise and sunset but you can’t see the other parts of the Salar. We were very lucky because we could see the water and also the dry part of the salt flat and this was because it rained a lot 2 weeks before! But nature is unpredictable and sometimes it rains in February as well. We would advice you to try come early February as you will see the water mirror  and the dry part was well!

img_9396
Salar del Uyuni with a chola – Salar de Uyuni e uma chola

Há muito que queriamos vir aqui, mas aquilo que experienciamos é dificil de imaginar. Escolhemos fazer o passeio de 3 dias, 2 noites e partimos de San Pedro del Atacama, quando perguntamos a outros mochileiros toda a gente foi unânime que era bastante cansativo, pois anda-se bastante, debaixo de um sol ardente e em altitude, o que faz que você tenha de beber pelo menos 3 litros de água por dia! E apesar de estarmos mortos de cansados quando chegamos á cidade de Uyuni, aconselhamos a todos esta aventura maravilhosa, se você não se importar de não tomar banho um dia e dormir poucas horas para ver a linda e intocável natureza boliviana. Você pode começar o passeio de San Pedro do Atacama, da cidade do Uyuni (50 dólares mais barato) ou fazer passeios de um dia apenas ao Salar. Pelo nosso passeio pagamos 160 dólares (500 reais) e gastamos 250 bolivianos (120 reais) com a entrada do parque, para ir nas águas termais, tomar um banho quente na última noite e comprando umas cervejas, tudo o resto está incluído no pacote.

img_8791-copy
Baby llama and her mother – Uma llama bebé e a sua mãe
No primeiro dia a agência nos pegou no hostel por volta das 7:30 da manhã e a primeira parada é nas fronteiras chilena e boliviana, ai você carimba o seu passaporte e toma café da manhã. Aqui é também onde se troca para os jipes 4×4 onde você vai passar os próximos 3 dias. Depois disto você para na entrada do parque para pagar 150 bolivianos de entrada no parque: Reserva Nacional de Fauna Andina.
img_8651
Laguna Verde with the Licacanbur – Laguna verde com o Licacanbur
Dai se faz as duas primeiras paradas: Laguna Blanca e na Laguna Verde, esta lagoa, com o vulcão Licacanbur do seu outro lado contém minerais que com a luz solar reflecte uma linda cor verde. Infelizmente isto só acontece a partir de um certo momento do dia e quando paramos a água ainda estava castanha (ver foto em cima). Próxima parada: águas termais a 40 graus e com uma maravilhosa paisagem dos andes. Esta é o único contato com água que você vai ter nesse dia. Depois disto segue-se para Sol de la Mañana: um grande géiser.
img_8753
 Laguna Colorada with lots of flamingos- Laguna Colorada cheia de flamingos!
Pela hora de almoço, você vai para o “hotel” (em quarto compartilhado) deixa a suas coisas, descança um pouco e almoça. Á tarde o passeio é na Laguna Colorada, uma lagoa vermelha por causa do fitoplacton que ali vive e com uma enorme concentração de flamingos! Eles são tão fofos que não conseguimos para de os fotografar! Depois disto seguimos para o hotel onde jogamos pingue-pongue, jantamos e bebemos uma garrafa de vinho que tínhamos trazido do Chile com o nosso grupo maravilhoso (composto por 3 casais: nós, um casal alemão e um casal chileno).
img_8839
Another lagoon – Outra lagoa
Acordamos ás 6:30 da manhã no dia seguinte e seguimos para outra lagoa com flamingos. Dentro do carro, avistamos 3 vicuñas afastando uma raposa! Momento Animal Plante do dia! Dai fomos para algumas estranhas formações rochosas e subimos no alto para ver de cima uma formação chamada de “Pequena Itália“, que se assemelha a uma vila, o nome advém de uma turista italiana que se perdeu aqui e foi salva pelos habitantes do pequeno pueblo próximo, Villamar.
img_8960
Little Italy – Pequena Itália
Almoçamos e fomos dar uma volta por um cânion cheio de lhamas selvagens (eles são animais domesticados por aqui) e outras aves, muito bonito. Depois desta caminhada de mais ou menos uma hora, voltamos para o carro e fomos avistar um rio chamado pelos locais de Anaconda, pelo seu formato, o nome do rio é Alota. Daqui paramos num pequeno pueblo onde experimentamos cerveja de quinoa (que é cultivada aqui também pois necessita de pouca água e altitude para crescer) mas para além de cara, não gostamos. Seguimos para o “hotel” de sal no pueblo de San Juan. Apesar de não podemos chamar de hotel era bastante confortavel, tinha electrecidade e até um duche quente (por 10 bolivianos). Nessa noite jantamos, tomamos mais um vinho e fomos dormir cedo pois tínhamos de acordar cedissimo do dia seguinte para ver o amanhecer no Salar.
img_9045-copy
Wild Llama – Llama selvagem
Acordamos por volta das 3:45 da manhã e seguimos para o Salar. Chegamos por volta das 5:30 e não tem palavras para descrever o que vimos: a lua cheia, amarela, se escondedo atrás das montanhas, com o céu todo estrelado tudo reflectindo no espelho d’água, incrível. Em uma hora tudo mudou e vimos um dos amanheceres mais bonitos na vida. Não existem palavras para explicar pois é surreal de bonito, então deixamos aqui as nossas humildes fotografias!
img_9221-copy
André photographing the sunrise – André fotografando o amanhecer
Este último dia passamos no Salar. Aqui é como um deserto mas para pior pois o sal reflete todo o sol e por isso é impotante que você se hidrate bastante neste dia. Fomos na Ilsa del Sol, com milhares de cactus e tomamos café ali. Fizemos as típicas fotografias de prespectiva, fomos no primeiro hotel de sal e na estátua do Dakar e almoçamos no Salar mesmo. Depois de almoço passamos na vila de Colchane que vende tradicionais souvenirs (apenas compramos um imân de geladeira para a nossa coleção por 5 bolivianos) e por fim fomos no cemitério de trens. Uyuni nos anos 60 era um importante polo de transporte de minerais através de duas linhas ferroviárias, agora quase desativadas. Hoje em dia vive do turismo e ainda existe extração de sal feita por coperativas locais.
16731863_10212209038520639_560452752_o.jpg
Tradicional prespective photos – Fotografia tradicional de prespectivas
Quando chegamos á cidade Uyuni não conseguimos enfrentar uma viagem noturna até La Paz (como os nossos amigos alemães) então ficamos no hostel por lá onde dormimos 12 horas de seguida!
Algumas dicas: Janeiro é a época de chuva. Se você for neste mês você vai ver o lindo espelho d’agua mas apenas isso pois o jipe não atravessa o Salar. Nós tivemos uma sorte enorme e conseguimos ver o amanhecer na água mas também tirar as tradicionais fotografias de prespectiva pois o resto do Salar estava seco. Se tivessemos esperado mais 3 dias talvez já toda água tivesse evaporado! A natureza é imprevisivel então aconselhamos você a tentar vir nesta altura do ano (inicio de fevereiro) pois é mais provavel que consiga ver água e também parte seca.

San Pedro de Atacama – a dream that came true! • San Pedro de Atacama – um sonho tornado realidade!

 

mote
Mote con Huesillos: a typical and delicous chilean drink • uma bebida chilena deliciosa

For our American Latin trip, we started where we ended the last trip (The Patagonian Adventure • A Aventura Patagônica ): Santiago, Chile’s capital city. We had already spent around a week here last time, so we seized this opportunity to see our chilean friends again and went to eat lunch with them in Radicalles, a left-wing restaurant, bar, cinema and cultural center. We then decided to do something we hadn’t done yet which was to go up the Cerro San Cristobal  and see Santiago from a high perspective. We only spent a day there and the next day we took the long 24 hour bus ride to San Pedro de Atacama. As soon as you enter the city, with the beautiful Lincacabur vulcano, you can already feel the amazing mystical place that San Pedro del Atacama is, with the snowy Andes Mountain range framing the village.

raposa
fox crossing the road • uma raposa atravessando a estrada

In the mains street, calle Caracolles, there are around 50 agencies where you can book the day tours. Almost all of them offer the same tours and the difference of price between them is in the food they offer (normally breakfast and sometimes lunch too if it’s a day tour).The bad part of coming in the summer is that it will be full of tourists. But the good part is that the weather is not (so) extreme. In the Geisers tour del Tatio tour, it was around -4 ºC but if you go on winter time it can reach around -15º C!

img_8302-copy
Geisers del Tatio: one of the biggest geyser camps of the south hemisphere! • Um dos maiores campos de geisers do hemisfério sul

But Atacama is quite expensive as you will have to pay for the tours and the entries of the national parks. To save some money, we stayed a little further from the city center (SPA is a very small city, so everything is pretty close) in Hostel Laskar in a shared room and cooked almost every meal. Also, we booked all of the 5 tours (Lagunas Altiplanicas, Valle de la Luna, Geisers del Tatio, Astronomic tour and Lagunas escondidas) in the same agency, Atacama Connections – the girl was brazilian and gave us a great discount! Thank you so much Juliana (and she has got a blog as well!)

img_8479-copy
Valle de la Luna
img_8491-copy
Salt rock • Pedra de sal – Valle de la Luna

We thought the tours were very complete, you will see local fauna like Vicuñas, Lhamas and Foxes, the guide will tells you lots of information about the Andes mountain range and the vulcanos around it (there are around 1,200 vulcanos in Chile!) and other curiosities! We thought the food was pretty good and there are always options for vegetarians (Agata was really happy about that!). They will stop in small desert villages and you can even eat Lhama meat in the Geiser del Tatio tour! (André loved it!).

Our next stop: Uyuni Salt Flat!

img_8342-copy
Vicuña and a vulcano • Vicuña e um vulcão (Tour Geiser del Tatio)

A nossa aventura Latina Americana começou onde a nossa última viagem terminou (The Patagonian Adventure • A Aventura Patagônica ) – Santiago, a capital do Chile. Como já tínhamos ficado uma semana da outra vez e já tínhamos feito quase todas as atracções turísticas, aproveitamos para almoçar com os nossos amigos chilenos que nos tinham acolhido da outra vez, no restaurante Radicalles, um restaurante, bar, cinema e centro cultural de esquerda. Depois decidimos subir no Cerro San Cristobal e ver Santiago do alto. Ficamos apenas um dia e no dia seguinte pegamos uma longa viagem de ônibus de 24 horas até San Pedro del Atacama. Se conseguirem marcar com mais ou menos um mês de antecedência o trecho Santiago – Calama (cidade com o aeroporto mais próximo) fica mais barato do que ir de ônibus (pagamos 200 reais por esta viagem!) pois várias pessoas nos falaram isto no hostel. Infelizmente seria impossível para nós, pois compramos a passagem de avião para Santiago com menos de 2 semanas. Assim que você chega perto da pequena cidade de San Pedro, com o vulcão Licancabur emoldurando a cidade, você já sente o misticismo de uma vila no meio do deserto, enquadrada pelos lindos e nevados Andes.

img_8144-copy
Tour Lagunas Altiplanicas – Laguna Miscanti

A rua principal chama-se Calle Caracolles e tem cerca de 50 agências para marcar os passeios. Quase todas oferecem os mesmos passeios e com preços similares pois as diferenças de preço podem significar que a comida oferecida nestes passeios (café da manhã nos passeios de manhã e alguns passeios oferecem almoço também, se for o dia inteiro). O ruim de vir no verão é que vai estar CHEIO de turistas (e bastantes brasileiros!). O bom de vir no verão é que as temperaturas não baixam tanto como no inverno. Por exemplo, no passeios dos Geiser de El Tatio nós apanhamos -4º C mas no inverno chega a -15ºC!

16523513_10212155623985309_1286845665_o-copy
Smoking a geyser! • Fumando um geiser!

San Pedro é bastante cara e você tem de contratar os passeios e também pagar as entradas nos parques nacionais então para poupar um pouco ficamos num hostel mais longe (mas como a cidade é pequena, tudo é relativamente perto) num quarto compartilhado, no Hostel Laskar e optamos por cozinhar quase todas as nossas refeições. Poupamos também fechando 5 passeios pela mesma agência – a moça era brasileira e fez um óptimo desconto! Obrigado Juliana, vejam aqui o blog dela!

estrelas
Astronomic tour  • Tour astronómico

Contratamos 5 passeios: Lagunas Alitplanicas, Valle de la Luna, Geisers del Tatio, Lagunas Escondidas (lagoas com alta concentração de sal onde se flutua) e o tour astronómico. Achamos os passeios bem completos pois você vê a flora e fauna local como lhamas, vicuñas e raposas e o guia fala também sobre a cordilheira dos andes e os vulcões por ali existentes (o Chile tem mais de 1200 vulcões!) e ainda outras curiosidades!

flamingo
Flamingos (tour Lagunas Altiplanicas)

A comida era boa e sempre tem opção para vegetarianos (para a felicidade da Ágata). Também se fazem várias paradas para tirar fotografias  e em pequenas vilas no meio do deserto. No passeio dos Geisers de El Tatio há uma parada para comer um espetinho de Lhama (e o André adorou!). Próxima parada: Salar de Uyuni!

img_8365-copy
Lhama meat • churrasquinho de Llama

 

Torres del Paine – the W Circuit

As promised, here we are, telling you everything you need to know about a very known trekking circuit: Parque Nacional de las Torres del Paine. We absolutely loved this, even if it meant we didn’t shower for 3 days!

The closest city to is Puerto Natalles, around 2 and half hours away from the entrance of the Park. It’s a small city but it has good structure with hostels, supermarkets and lots of shops to buy or rent everything you need to camp for a few days. We rented pretty much everything (tent, sleeping bags, little  because it’s pretty cold and everything has to be thermal. At the time, we lived tropical country and the tents and sleeping bags we had were not enough for this kind of weather. The prices were OK: 50 dollars for the 3 days for 1 tent, 2 sleeping bags, sleeping pads and stove. But if you can have this kind of equipment you can save this money!

Our first tip is to go to the everyday meeting 4 PM in the Hostel Basecamp. Here, a dutch lady explained us everything we needed to know, where to start the circuit and even where you must go to reserve your free camping! Also, you get coffee and tea for a small donation.

05
Lake Pehoe – Lago Pehoe

In Torres del Paine you can do 3 circuits: the W – 3 to 4 nights, the O (circular around the mountains) – takes around a week and the Q – a variation on the O circuit, takes around a week to 9 days. The most common is the W circuit, and it was the one we did. If you have the time, do the longer one, you will not regret it. Other tip: if you camp in the wild, be carefull about your food, latter we meet an italian couple that had almost all their food stolen by a fox in the first day of the O circuit!

From Puerto Natalles you can take 2 buses, one early in the morning and other around 2 PM, but we choose the early one. Here were it gets expensive: 35 dollars as entrance fee for any foreigner. From there, if you’re doing counter-clockwise, you’ll have cross the Pehoe lake: 22 dollars each. This is crazy right?! We talked with a chilean friend and he told us that not many south americans or even chilean go there as it gets pretty expensive. From there you can choose to go straight to the Grey glacier and camp there or camp in Paine Grande. Both of them are private, but this means you get to have a hot shower. We stayed at Paine Grande for 15 dollars for the tent – at this time we were really worried about having no money ! The good thing is we didn’t spend any money for the next 2 days. Although the camping has great structure, we suggest you stay in the Grey camping near the glacier, because Paine Grande is known by the hard winds. It was hard to sleep at night thinking your tent might flight….

06
An iceberg from the glacier – Um iceberg do glaciar

The park has a great structure, with well marked trails, lodges in the camping ground so you will see families and older people. Sometimes in the park you can  stay in public camping – this means you will not have to pay but  sometimes you will need to make a reservation beforehand. We choose to save a little and stay in 2 free camps but this means no shower and precarious toilet. You’ll have to wash your kitchen wear near  the river (but not to the river). This is also where the park rangers live and they will give you instructions. For us it was great, we got to interact more with people – the first camping people were drinking and doing a mess.

 

For the last day, people normally get up pretty early and go to see the sunrise at the Torres. A beautiful orange color emerges and stays for around 3 minutes, a nature show that is worth the one hour hard trekking to get there – the worst part of the circuit! (take the sleeping bag with you and enjoy the view not freezing to death!). After the early rise, it’s great to return and have a warm breakfast – this will give energy to do the last part of the trekking! And when you’re coming back to get to the bus, enjoy your last minutes before returning to reality!

01
Sunrise in Las Torres – Amanhecer nas Torres

What to bring (summer time): sunglasses, comfortable clothing (1 trousers+ 1 shorts, 3 t-shirts, second layer, socks and underwear) your trekking boots, sunblock, personal hygiene stuff, compass (or app), solar charge, your camera & extra battery, water bottle (to fill – all water is potable), flashlight, flip-flops and a towel + sleeping bag, tent, sleeping pad and food.

What kind of food we took: chocolate, nuts, cereal bars, bread and cheese or ham, some fruit like apples and oranges, oatmeal, instant coffee, tea, sugar (for breakfast), instant noodles and stuff you can cook in a small camping stove.

ECO TIP: offline maps of the trekking routes are available.

img_3385_1
Los Cuernos

Como prometido, estamos escrevendo as dicas para o muito conhecido circuito de trekking: Parque Nacional das Torres del Paine. Nós amamos esta aventura, mesmo ficando 2 dias sem tomar banho!

A cidade mais próxima é Puerto Natalles que fica a 2 horas e pouco de distância da entrada do parque. É uma pequena cidade mas com estrutura para acolher os milhares de turistas que todos os anos vêm fazer este trekking, com hostels, restaurantes, supermercados e todo o tipo de lojas que vendem e alugam o material necessário para acampar uns dias no parque. Nós alugamos o material pois o nosso material de acampamento não resiste a temperaturas tão baixas: os nossos sacos de dormir e tenda são para o clima subtropical onde vivemos. Os preços para alugar material foram OK: 180 reais para 3 dias por uma tenda, dois sacos de dormir, dois colchonetes e um fogareiro. Se vocês tiverem uma barraca para condições mais extremas, levem e poupem este dinheiro!

img_3319_1-copy
Just a landscape – Apenas mais uma paisagem

Uma dica importante, venham um dia mais cedo porque em Puerto Natalles tem uma reunião todos os dias no hostel Basecamp às 4 da tarde. Aqui uma moça holandesa explicou bem direitinho onde começar a trilha e deu outras dicas muito legais e importantes (como sobreviver se começar a chover, onde reservar os campings gratuitos etc). Eles oferecem café e chá por uma pequena contribuição!

No parque você pode escolher entre 3 circuitos: o W (4 dias, 3 noites), o O (circular pelo parque, uma semana) e o Q que é uma variação do O com mais um dia. Nós fizemos o circuito W, mais conhecido e o que a maioria das pessoas faz. Para os mais aventureiros, recomendamos fazer a trilha de uma semana, o seu corpo rapidamente se habitua ao esforço e você não se vai arrepender. Uma dica: tenha cuidado com a sua comida, você está na natureza. Mais tarde conhecemos um casal de italianos que tinha ficado quase sem comida na sua primeira noite pois foram roubados por uma raposa.

img_3445_1-copy
English viewpoint – Mirante Inglês

De Puerto Natalles tem 2 ônibus diários para o parque, de de manhã cedo e um por volta das 14, nós pegamos o da manhã cedinho! Aqui é onde fica caro: 35 dólares para entrar no parque, para qualquer estrangeiro, para chilenos é mais baratos. Para começar a trilha, no sentido contrário ao relógio, tivemos de atravessar de catamarã o lago Pehoe: 22 dólares por pessoa. Bem caro não?

Quando você chega do outro lado você pode escolher acampar logo (no acampamento Paine Grande) ou continuar até ao acampamento Grey. Nós escolhemos acampar ali e fazer um bate volta ao glacial Grey. Mais 15 dólares por tenda! Neste momento, começamos a achar que tínhamos errado nas contas e íamos ficar sem dinheiro… mas nos dias seguintes, como ficamos em acampamentos do parque, que são gratuitos, não gastamos nenhum dinheiro! Em compensação não tomamos banho e o banheiro era precário.Sugerimos que fique no acampamento Grey pois os fortes ventos de noite no Paine Grande não nos deixaram dormir.

img_3159_grey
Grey Glacier – Glaciar Grey

O parque tem todas trilhas assinaladas (atenção, as trilhas fecham as 18H!) e uma boa estrutura, todos os acampamentos tem camaradas e quartos, por um preço mais salgado, se você não quiser acampar. Isto é também a razão pela qual você vai ver famílias e pessoas mais velhas fazendo as trilhas. Nos acampamentos do parque você poderá ter de fazer uma reserva de antemão. Apesar das condições, preferirmos os campings gratuitos, no primeiro camping tinha muitos jovens fazendo zoada e bebendo.

A última manhã é reservada para ver o amanhecer nas torres: um espetáculo da natureza em que vários tons de laranja e  vermelho refletem nas enormes formações rochosas que dão nome ao parque. Leve o seu saco de dormir e não morra de frio, depois de fazer provavelmente a parte mais difícil do trekking (uma subida de quase uma hora para o mirante das torres desde o acampamento mais próximo). Voltando para o acampamento e tome um bom café da manhã quente, aproveitando as últimas horas até voltar para a realidade.

img_3785
Las Torres

O que levar (verão): roupa confortável (1 calças+1 bermuda, 3 camisetas, meias e roupa de baixo), óculos escuros, protetor solar, garrafa de água (para encher – a água é potável), botas de trekking, itens de higiene pessoal, bússola ou app, carregador solar, uma toalha, câmera e uma bateria extra, lanterna, chinelos + tenda, saco de dormir, colchonete e comida.

Que tipo de comida levar: chocolate, frutas secas, barras de cereal, pão e queijo, algumas frutas ( maçãs, laranjas), café instantâneo, chá, aveia (para o café da manhã), massas instataneas e outras coisas possíveis de cozinhar num pequeno fogareiro.

Dica Eco: os mapas das trilhas estão disponíveis para baixar e usar offline.

03

 

4 things to do for free in Barcelona! 4 passeios grátis em Barcelona!

Barcelona is a vibrant city, cheerful and colorful, it’s our kind of place. It’s a beach town, so it kind of feels like home because we are both from beach towns (Lisbon and Fortaleza). Besides this, it’s a very artsy place: from the very known buildings of Antoni Gaudí, sculptures, street artists and many museums, among which we highlight Fundació Joan Miró and MACBA. But it is a somewhat expensive city, so here are 4 things you can do for free and enjoy yourself in Barcelona.

Barcelona é uma cidade vibrante, cheia de animação e cor. Bem a nossa cara. É uma cidade de praieira e por isso, casa para ambos já que somos os dois de cidades de praia (Lisboa e Fortaleza). Para além disso, é uma cidade que respira arte: desde os conhecidos edifícios de Antoni Gaudí, esculturas, artistas de rua até aos mais variados museus, dos quais destacamos a Fundação Joan Miró e o MACBA. É uma cidade relativamente cara e por isso deixamos aqui 4 passeios grátis para aproveitar a gastando menos.

 

  •  La Rambla & La Boqueria

The most known and full avenue of the city, it has a crazy pace. It’s a mandatory stop in Barcelona, it has lots of street artist all over the avenue (the center is just for pedestrians), but because it’s a touristic place, it’s always full of people, so our tip is to go early in the morning. In La Rambla an essential stop is the market La Boqueria with an early 18 century architecture, an explosion color, odors and flavors. You can find literally anything there and you can ask to try some of the stuff as well!

boqueria
La Boqueria

A mais conhecida e cheia avenida da cidade, pulsa num ritmo alucinante. É uma paragem obrigatória em Barcelona, tem vários artistas de rua por toda a avenida (o seu canteiro central é apenas para pedestres). Mas por ser muito cheia, aconselhamos o passeio a uma hora matinal. Uma paragem obrigatória na La Rambla é o mercado La Boqueria que para além de uma  arquitetura que remete ao século 18 ,é uma explosão de cores, cheiros e sabores. Você pode encontrar literalmente tudo lá e você pode pedir para experimentar algumas delícias!

  • Parque Güell

Designed by the famous architect Antoni Guadí, this park has the famous multicolored mosaic salamander “El darc”, one of the most known symbols of Barcelona and probably the most reproduced souvenir. But, besides this, the park is worth going up the hill (there is an escalator to help with this!) because in the highest point has a really nice view of Barcelona where you can spot “Sagrada Familia” and the beautiful quadrangular urban area. And it has lots of other pretty nice spaces, street artists and even two buildings that look like they were taken of the Hansel & Gretel story!

bcn02
Sunset in Park  Guell

 

Desenhado pelo famoso arquiteto Antoni Gaudí, este parque tem a famosa fonte da salamandra feita de mosaico “El darc”, um dos mais conhecidos símbolos de Barcelona, e provavelmente, o seu souvenir mais reproduzido. O parque vale a pena a subida (tem uma escada rolante para ajudar a subida!) pois seu ponto mais alto tem uma vista desafogada sobre Barcelona, de onde se vê a igreja Sagrada Família  e o desenho urbanístico quadricular da cidade. Para alé disso tem vários outros espaços bem bonitos, artistas de rua e até guaritas que parecem saídas da história de Maria e João!

 

  • Barcoleneta

Barcoleneta is the beach neighborhood of Barcelona. For an afternoon of sun and sea, it’s perfect. If you can, rent a bike and ride there, it’s so nice. Better, if you’re staying with a local, ask them about the public sharing bikes, maybe they can lend you a card?  Look out for the enormous Frank Gehry’s scpulture”Peix”.

 

bcn-03-tratada

Barcoleneta é o bairro de praia de Barcelona. Para uma tarde de sol e mar, é perfeita. Complementando, se estiverem ficar em casa de alguém que more lá (couchsurfing?), provavelmente essa pessoa terá um cartão que permite usar o sistema de bicicletas compartilhadas gratuitamente, se assim for o caso, um passeio de bike por ali é muito aconselhado, procurem pela enorme escultura do Frank Gehry “Peix”.

 

  • Montjuic

This neighborhood is known because it hosts the olympic stadium that was constructed in for the 1992 Olympic games. But more than the magic fountain (it only works in specific times), that was constructed for the sports event as well, Montjuic is the location for the Fundació Joan Miró and other museums like the Archaeological Museum of Cataluña and the Ethnographic Museum. If you’re not in the mood of museums, just go uphill, by foot or bus, enter the ramparts and enjoy the view of Barcelona at your feet.

bcn01
Lovely city to ride a bike!

 

É neste bairro que fica o estádio construído para os Jogos Olímpicos de 92. Mas para além da fonte mágica (que só funciona em horários específicos), também construída para o evento desportivo, é onde se situa Fundació Joan Miró e outros museus como o museu de Arqueologia da Catalunha e o museu Etnográfico. Se não estiverem na onda de museus, subam (de graça ou de busão) até ao topo da colina, entrem nas muralhas e desfrutem de uma Barcelona estendida a vossos pés.

 

Extra tip: visit the website forfree.cat for more free stuff around BCN!

Dica extra: visite o site forfree.cat para encontrar mais coisas grátis em BCN!

 

The Patagonian Adventure: Ushuaia

When you arrive, it’s pretty spectacular. The city, that calls itself the last city of the world, is surrounded by the Andes range of mountains, in dark brown shades with snowy peaks and the Beagle channel at the bottom, where the two oceans, Atlantic and Pacific meet.

uhsuaia02
Ushuaia

It’s a known touristic place because it offers all kind of sports like ski in the winter, navigations and trekking. If you want to go on a last-minute cruise to Antarctica, this is the place: it’s only 1000 km from away! We only stayed for a couple of days because it’s pretty expensive (it was high season also) and we stayed in a hostel which was a little far away from the city center but still very comfortable but cheaper. We didn’t eat out and took food to do the trekking.

Although we went in the summer time, the weather is always cold and windy. André comes from a city that lies in the equatorial line, so he never had experience such cold weather ever before!

From the city center, we shared a taxi with another tourist to the entrance of the Tierra del Fuego National Park. You can take a train a touristic train to get there, the end of the world train, but the train station is 8 km away from the city center: it tells a little about the history of Ushuaia, when it was a prison state, but we were excited to discover the Patagonian natural landscape so we just went straight to the entrance.

In the entrance of the park, you will have to pay a small fee, from there you will have 4 trails (they’re called senderos) to choose from. We did the coastal trail, along the bay. It takes around 3 hours and the dificulty is easy-medium. In Isla Rendonda, the starting point of two of the trails, you can also stamp your passports with a penguin stamp like us!

uhsuaia04.jpg
Penguin stamp!

This is a great park because when you enter you can stay in the park for 3 days. If you want to camp, there are camping sites near the entry of the trails, with good structure. After we finished the trail,  we stopped at a cafeteria and cultural center with an exhibit about the indigenous people who lived there before, from here we also found out that there are small vans taking tourists from and to the city, so ask around!

The other thing we did was a navigation to see the nautical wildlife. Unfortunately we didn’t manage to see penguins, because of the timetable. All the boat companies have the same price for the navigations. They will take you to see the lighthouse from the end of the world and other islands with lots of sea lions, and sea birds. If you have travelled this far you should definitely try to see the pinguins in their natural habitat, they are too cute!

sealions
Sea Lions – aren’t they cute?

If you’re travelling in high season be smart about getting out of Ushuaia. From here you only have 3 options: to fly (expensive), by boat (expensive and maybe not going where you want to go) or by bus (cheapest). But even in the high season, there will be only 1 bus a day and not everyday… for our luck, a nice Danish guy (thanks Simon!) left us buy the tickets before him and he actually took the last ticket for the bus next day.


Ushuaia, quando você sai do avião, é bem espetacular. A cidade que se auto intitula como a cidade mais austral do mundo é rodeada pela cordilheira Andina, em tons marrons escuros, com neve nos seus picos e em baixo, abraçada pelo canal de Beagle, onde dois oceanos se encontram.

É uma cidade sobejamente conhecida, pois oferece vários tipos de actividades, quase todos relacionados com a natureza a fauna e flora que habita no seu clima inóspito. É uma cidade cara, pois para além de turistica é remota. E apesar de ser verão, a temperatura não era alta para além da massa de vento polar que se sente de tempos em tempos. O André é cearense e nunca tinha sentido tanto frio na vida!

Para pouparmos um pouco, ficamos num hostel mais longe do centro da cidade. Comemos no hostel e levamos comida para fazer o trekking. No final decidimos gastar um pouco e como era nosso aniversário de namoro comemos um delicioso King Crab, a um preço razoável, ainda que caro.

centoja
King Crab

Do centro da cidade, pegamos um taxi com outro turista para a entrada do Parque Nacional da Terra do Fogo. Pode-se ir por trem mas para além de não ser muito barato, pois é uma atração turísitica, a estação do trem fica longe do centro. Além disto, estavamos muito entusiasmados para descobrir a paisagem patagónica então fomos diretos para o parque. O Parque Nacional da Terra do Fogo é bem legal porque tem várias trilhas que você pode escolher fazer e tem uma boa estrutura, se você quiser, pode inclusive ficar por lá acampado.

tierradelfuego-01
Tierra del Fuego National Park

A trilha que escolhemos foi a da Costa, demora cerca de 3 horas e dificuldade baixa. Ela é quase sempre ao longo dos lagos e enseadas e apesar do sol não estar a brilhar, a paisagem é espetacular. No inicio da trilha, na Isla Redonda, pode-se carimbar os passaportes com um carimbo de penguim! O final da trilha acaba num café e centro cultural com uma exposição sobre os indigenas que por lá moravam. Foi aqui também que descobrimos que existem pequenas vans que fazem o transporte da cidade até ao parque, por isso perguntem no hostel!

A outra coisa que fizemos, foi a navegação do canal de Beagle. As empresas que fazem estas navegações oferecem praticamente os mesmos passeios por preços muito similares. Infelizmente perdemos o horário para fazer a navegação dos pinguins (ela demora mais pois a ilha é mais longe).Nos passeios normalmente se visita o último farol do mundo e outras ilhas habitadas por cormorões (ave marítima) e leões marinhos.

uhsuaia01
Farol do Fim do Mundo • Lighthouse of the end of the world.

Se você está em Ushuaia, fique esperto de como sair da cidade. As maneiras de sair são: de avião, maneira mais cara, de barco ou de ônibus, maneira mais barata. Contudo, se escolher este último, compre o seu bilhete com antecedência, pois mesmo na alta estação não existem ônibus todos os dias. Tenha atenção que a próxima cidade fica a poucos kms mas distante, pois você se encontra numa ilha e terá de atravessar o conhecido Estreito de Magalhães para ir para a próxima cidade!

3 cool neighborhoods to discover in Madrid • 3 bairros legais para descobrir em Madrid

Spain’s capital isn’t as touristy as Barcelona, but this doesn’t mean that it is less charming. Full of life, with a lot of museums and bars, it’s a bohemian, artsy and colorful city, that is known for the artistic movement “Movida Madrileña“, an artistic movement, founded in the 80’s that reached to all kinds of arts from music, painting, literature and also cinema and photography.

A capital de Espanha não é tão turística como Barcelona mas isso não quer dizer que seja menos charmosa. Cheia de vida, museus e barzinhos, é uma cidade boêmia, artística e colorida, ou não fosse o berço da conhecida “Movida Madrileña“, um movimento artístico dos anos 80 que atingiu várias tipo de arte, como a música, pintura, literatura, mas também o cinema e a fotografia. 

La Latina

It’s a mix between the classic with traditional, old, stone buildings and small streets with lots of youth people and bohemian vibe. With a lot of bars, restaurants and cool stores, you should definitely go on weekends because it has a great flea market El Rastro . In a sunny day it will be full of people drinking and eating tapas. Try the streets “Cava Alta” and “Cava Baja” to eat the best, super traditional tapas (or the favorite “bocadillo de tortilla”, tortilla sandwich) that go along very well with a cold beer and enjoy the laid back atmosphere. Also a good place do drink in the night-time, where you can do “botellón” (drinking in the street).

lalatina
La Latina

É uma mistura entre o clássico, tradicional com os seus prédios de pedra e ruas estreitas mas cheio de jovens e clima boémio. Com muitos bares,  restaurantes e lojas legais, é legal ir num fim de semana porque é quando acontece um ótimo mercado das pulgas El Rastro. Nos dias de sol o bairro fica cheio de pessoas bebendo e comendo as famosas tapas. Experimentem as ruas “Cava Alta“e “Calva Baja” para comer as tradicionais tapas (ou o nosso favorito “Bocadillo de Tortilla”, um sanduba de tortilla) que vão bem com uma cerveja estupidamente gelada, desfrutando do ambiente descontraído do bairro.É um lugar legal para beber de noite também e onde se faz o “botellón” (beber na rua).

Lavapiés

It’s known for its multicultural feeling where you can shop for indian spices, drink in the a very spanish bar and go eat a kebab in the same street. It’s has a very special atmosphere and it’s a cheap place to drink as well. Also, there are two gems that we have to mention: La Tabacalera, an old tobacco factory left abandoned and now working as a cultural center.And La Casa Encendida (the burnt house) a cultural center as well with exhibits, shows and a really incredible rooftop!

 

É um bairro conhecido pela sua multiculturalidade, onde você pode comprar especiarias indianas, beber num bar tradicional e comer um kebab na mesma rua. Tem um clima muito especial e é um bairro barato para beber. Existem duas preciosidades neste bairro: La Tabalera, uma fábrica antiga de tabaco desativada e que agora funciona como centro cultural. E a La Casa Encendida (a casa queimada) com variadas exposiçe um terraço incrível no último andar!

Tribunal

With small, pedestrians only streets, it’s full of convenience stores, little plazas with esplanades, coffee shops, all kind of different stores and bars. It’s cool to wander around, even if it’s siesta time (between 2 pm and 4pm) because normally the stores have great street art on their gates. There is a very simple, unpretentious place called El Palentino, in Calle Pez, if you’re looking for the real Madrileño bar.

tribunal01
Tribunal

Com pequenas e estreitas ruas, algumas só para pedestres, é um bairro cheio de lojas de conveniência, pequenos largos com esplanadas, cafés, vários tipos de lojas e bares. Não é um bairro tão barato como os outros dois mas é um lugar legal para se perder, mesmo que vá nas horas da siesta (entre as 14 e as 16 horas) porque mesmo que as lojas estiverem fechadas normalmente as suas grades tem vários exemplos de stre1et art. Se você quiser exprimentar um bar tipicamente Madrileño, tente o El Palentino, na Calle Pez, lugar simples mas autêntico.

8 tips to hitchhike like a pro in Europe! • 8 dicas para pegar carona como um profissional na Europa!

Hitchhiking in Europe is somewhat easy in Europe. Our european trip was practically by hitchhiking. It’s cheap and a great way to meet people from all over Europe (or even the world), to have a great conversations and to get fast (somehow) fast to your destiny.

Caronar é relativamente fácil na Europa. A nossa viagem da Europa foi praticamente 80% feita na base da caronas. Carona é barato e uma ótima maneira de conhecer pessoas de outros países, trocar uma ideia e chegar rápido (relativamente!) ao destino.

  • 1

Big smile and no sunglasses! Big smile shows that you’re a nice person, a tip is to show your eyes, the other person will trust you more if they look into your eyes.

Sorrisão e nada de óculos escuros! O sorriso para demonstrar simpatia e a dica é deixar que a pessoa veja os seus olhos, pois será mais fácil ganhar a sua confiança.

  • 2

Knowing the language of the country you’re travelling helps but it’s not essencial. Once we traveled with a gentleman that only spoke german and little english, but this didn’t stop us from sharing a nice moment and him leaving us in the exact place we wanted: in a subway station in Berlin! So don’t be intimidated if don’t know the language but bring a small dictionary or book with phrases or words in the languages of the countries you’re traveling, a simple “hello” and “thank you” goes a long way!

carona04.jpg
Nice ride with an english book editor in vintage car! Carona legal com um editor de livros inglês num carro vintage!

Saber a língua do país onde pedem carona ajuda mas não é essencial. Uma vez viajamos com um senhor que apenas falava alemão e poucas palavras de inglês, isso não nos impediu de trocar uma ideia (ainda que rudimentar) e de ele nos deixar exatamente onde queríamos: uma estação de metro em Berlim! Não se intimem por não saberem a linguagem, nem mesmo inglês, mas outro conselho é levar um pequeno dicionário com frases/palavras de algumas línguas dos países onde vão passar, um “olá” e um “obrigado” sempre ajuda a demonstrar simpatia.

  • 3

No shame. Don’t be ashamed of asking for a ride. Be nice and polite, a big smile always and even if the person is not traveling in the direction you’re going (it happens a lot), or refuses, say thanks anyways. Politeness and being bold will get you lots of rides.

Nada de vergonha. Isso mesmo, nada de ser envergonhado. Seja cordial, simpático, sorrisão. Mesmo que a pessoa não vá viajar na direção que você precisa (isso acontece bastante) ou mesmo que se recuse, agradeça. Com boa educação e atrevimento se chega muito longe.

  • 4

The best place to ask for a ride: gas stations. People are stopping there so you can actually have a small conversation instead of just being in a road with a stop sign. Hitchhiking is LEGAL! If someone from the petrol station says you can’t hitch there don’t worry, just go a little further. But be careful because being a pedestrian in a highway in Europe IS ILLEGAL! Probably you’ll be picked by the police and fined. If you can’t reach a petrol station, another good place is near the entry of the highway with cardboard with the direction, do the hitch signal, which is your thumb up!

 

O melhor lugar para pedir carona: estações de serviço. As pessoas já estão parando ali então, converse. Caronar é LEGAL na Europa! Mesmo se alguém da estação de serviço falar que você não pode pedir carona ali, apenas se afaste um pouco para mais longe. Mas cuidado porque ser pedestre numa rodovia É ILEGAL! Provavelmente você será apanhado pela polícia, que te pega e passa uma multa. Se não conseguir ir para uma estação de serviço, uma outra opção é na “entrada” da rodovia com um papelão com o nome da cidade onde pretende ir e  fazer o sinal de carona, com o polegar para cima.

  • 5

Ask anyone! Truck drivers go long distances but also they drive slower than cars. Caravans are great because they don’t have a limit on people inside!

carona02
We had special company in one of the rides ! Uma companhia especial numa carona de camião!

Pede a qualquer pessoa! Normalmente os camioneiros vão para mais longe mas andam mais devagar que carros. Caravanas são ótimas para pedir pois não tem limite de pessoas

  • 6

It’s way easier to get a ride in daytime than in nighttime. I would say that’s it’s almost impossible to get a ride after 9/10 PM but it can happen, of course. If you’re standing in gas station, normally the people working there will be compassionate and let you stay inside (if it’s a 24/7 gas station…) but if not, it’s pretty safe to camp or even to sleep in a sleeping bag (Ágata has done this!) in front of the store or somewhere else. Take advantage of the early hours to ask again for rides, specially for truck drivers because they start driving pretty early in the morning.

Caronas são muito mais fáceis de conseguir durante o dia do que durante a noite. Diria é quase impossível conseguir uma carona depois de umas 9/10 da noite mas pode acontecer claro. Se acontecer de ficarem numa estação de serviço, talvez as pessoas que trabalham lá tenham compaixão e vos vão deixar ficar dentro do estabelecimento. É seguro, mesmo do lado de fora, podem acampar ou mesmo dormir num saco de dormir (a Ágata já fez isso!) na porta da loja ou noutro local. Aproveitem as primeiras horas da manhã para começar a pedir carona pois a maior parte dos camioneiros começa as suas viagens neste horário.

  • 7

hitchwiki.org

Pretty self-explanatory, great tips. It’s a collaborative site so, if you find a great  hitchikking spot, add it!

hitchwiki.org

Auto explicativo, todas  o tipo de dicas de lugar onde pegar carona e como chegar até lá. É um site colaborativo então se descobrirem um novo lugar para pegar carona, adicionem-no!

  • 8

The ride always arrives. It can take a lot of time or little but it always arrives. Please remember this tip after asking around 100 persons for a ride and they refused because, the hundredth first person will be your ride!

carona_03
Sometimes it’s hard! • Ás vezes é difícil!

A carona sempre chega. Pode demorar mais ou menos tempo mas ela sempre chega! Lembrem-se desta dica depois de terem pedido para 100 pessoas, porque a centésima primeira é a vossa carona!

Happy hitching – boas caronas 🙂

WordPress.com.

Up ↑

%d bloggers like this: